Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Bolsas continuam em queda. Ásia fecha com perdas acima de 1,5%. Europa abre no vermelho

A bolsa de Tóquio, a terceira mais importante do mundo, fechou esta segunda-feira com uma queda de 1,9%, a segunda pior do mês, depois do trambolhão de quase 4% na quinta-feira negra da semana passada. As praças de Hong Kong, Shenzhen e Xangai encerraram a primeira sessão da semana com perdas acima de 1,5%.

Na Zona Euro, o índice Eurostoxx 50 (das cinquenta principais cotadas) abriu a cair 0,3%. Os índices Dax em Frankfurt, Ibex 35 em Madrid e CAC 40 em Paris lideram as descidas na região. Em Lisboa, o PSI 20, segue a tendência negativa europeia, com um recuo de 0,13% pelas 8h30 (hora portuguesa). Em Madrid, a petrolífera CEPSA adiou a Oferta Pública de Venda que tinha prevista para 18 de outubro, seguindo as pisadas da Sonae MC portuguesa que tomou a mesma decisão na semana passada face à situação do mercado.

Depois da pior semana do ano, com uma quebra do índice bolsista global de 3,9%, os mercados de ações continuam no vermelho.

Os investidores tomaram nota dos avisos vindos de Bali, onde o Fundo Monetário Internacional (FMI) encerrou a sua assembleia geral no sábado passado, alertando para três riscos mais proeminentes. Em destaque, a escalada na guerra comercial que poderá provocar um ‘rombo’ ainda maior no crescimento mundial e uma evolução para uma nova frente, de guerra cambial.

A que se junta o adensar de preocupações sobre a capacidade dos mercados emergentes resistirem à convergência de factores negativos, desde a guerra comercial à subida dos juros nos EUA.

O risco de uma crise global nos emergentes está em cima da mesa. E, finalmente, as perturbações na Europa, com o Brexit (esta semana realiza-se a cimeira europeia) e o contágio italiano (Roma envia esta segunda-feira para Bruxelas o orçamento aprovado pelo Parlamento, que aponta para um défice muito acima do admitido pela Comissão Europeia e recomendado pelo FMI). (Expresso)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »