Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Professores, alunos e líderes comunitários se unem contra Bolsonaro

“Está em jogo tudo aquilo que conquistamos desde o fim de ditadura”, destacou um professor da USP

A m ato na USP contra a candidatura de Jair Bolsonaro (PSL) reuniu cerca de cem pessoas na manhã desta quarta-feira (10) em São Paulo

O encontro teve como objetivo organizar grupos que possam atuar nas periferias de São Paulo, debater com seus moradores o contexto eleitoral e defender o candidato petista, Fernando Haddad (PT).

Vladimir Safatle, professor de filosofia da USP e colunista da Folha de S.Paulo, organizou a reunião num salão da Faculdade de Filosofia e Ciências Sociais, que contou com a presença de alunos, professores, líderes comunitários e intelectuais.

“Está em jogo tudo aquilo que conquistamos desde o fim de ditadura. Tudo aquele contexto da ditadura pode votar pelo voto. Não se trata de ganhar a eleição, mas de garantir condições para a manutenção de embates políticos”, disse Safatle.

“Um setor fez uma escolha fascista no primeiro turno, mas muitos eleitores não têm noção das consequências que isso pode ter. A conquista desse setor vai definir o destino da eleição.”

Outra proposta debatida foi a criação de cartilhas que orientem o diálogo com a população das periferias.

Contra a enxurrada de fake news na internet, Safatle defendeu a necessidade de ir para as ruas conversar com a população. “Precisamos ir aos lugares, mostrar nossas caras, falar diretamente com as pessoas, entender seus argumentos para votar, tentar sensibilizá-las.”

Era consenso no grupo reunido na USP que Bolsonaro é uma ameaça fascista que o país deve derrotar nas urnas. Bem mais complexo é traçar um plano comum de atuação com esse objetivo, como se percebeu pelas manifestações dos participantes.

“Não podemos chegar com a postura de intelectual arrogante que quer levar esclarecimento para a população. Devemos falar de igual para igual com eles”, lembrou uma participante.

Uma outra falou que segurança pública é um tema fundamental a ser abordado, pois é um ponto central no programa de Bolsonaro. Líderes comunitários destacaram a necessidade de buscar o diálogo com a população evangélica, eleitorado que majoritariamente apoiou o capitão reformado no primeiro turno.

Para uma professora, não basta insistir no #EleNão, campanha contra Bolsonaro, mas reforçar também o Haddad sim.

Mas ser contra o capitão reformado nem significa dar apoio total ao PT, argumentaram alguns.

“Temos que combater também o fascismo que existe em certos nichos do PT”, reclamou uma militante.

“Ainda estou esperando a autocrítica do PT”, queixou-se uma liderança do Centro Cultural do Butantã, que recebeu uma pequena vaia em seguida. “Isso aqui não deveria ser um espaço democrático?”, retrucou.

Durante o ato voluntários se inscreveram em diversas frentes de atuação -panfletagem, assessoria jurídica, confecção das cartilhas. A ideia é que os grupos entrem em ação na próxima semana.

Para facilitar os trabalhos, um professor sugeriu suspender as aulas até a votação de segundo turno, ou pelo suspender as listas de chamada até lá, o que foi recebido com ovação pelos alunos. (Notícias ao Minuto BR)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »