Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Oftalmologistas espanhóis regressam no próximo ano

Os médicos espanhóis da Fundação Elena Barraquer, que estão em Angola pela quarta vez a fazer, desde segunda-feira, em Luanda, consultas de oftalmologia e cirurgias gratuitas a cataratas, regressam ao país no primeiro trimestre do próximo ano.

A informação foi avançada ontem ao Jornal de Angola por Edson Rosa, membro das instituições Oshen Healthcare e ABO Capital, responsáveis pela vinda a Angola de médicos da fundação espanhola.

Edson Rosa acentuou que o regresso a Angola está previsto para o primeiro trimestre do próximo ano porque os médicos espanhóis têm outras missões a cumprir noutros países africanos.

A uma pergunta sobre os custos suportados pela acção solidária, Edson Rosa disse ser complicado falar de custos, mas disse, a título de exemplo, que uma operação à catarata pode custar cerca de seis mil euros.

Nesta quarta deslocação a Angola, “não é possível a permanência dos médicos por mais tempo, por uma questão de logística e tempo”, acentuou Edson Rosa, que disse ser por este motivo que as operações terminam na sexta-feira, estando a viagem de regresso a Espanha marcada para o final da tarde de sábado, depois de observarem os últimos pacientes.

A equipa, composta por 20 técnicos de saúde, dos quais quatro oftalmologistas, trabalha no Hospital Geral de Luanda, onde vai fazer até sexta-feira mais de 200 cirurgias a cataratas.

O director do hospital, Carlos Zeca, informou que as crianças com menos de dez anos não constituem prioridade para a equipa espanhola por necessitarem de anestesia geral, podendo, nestas condições, a cirurgia durar até uma hora e meia.

A cirurgia feita a adultos dura até 15 minutos, adiantou Carlos Zeca, que confirmou terem sido operadas, até ontem de manhã, cinco crianças.

“O tempo de operação a uma criança que recebe anestesia geral faz demorar o processo e tecnicamente não é viável devido ao tempo estabelecido pela equipa médica”, salientou o gestor hospitalar, acrescentando que uma operação feita com anestesia a uma criança pode prejudicar cinco pacientes.

O processo de inscrição é feito por ordem de chegada, desde domingo. Os que foram operados ontem passaram pela triagem no domingo ou segunda-feira. Até ontem estavam mais de três mil pessoas na lista de espera.

Devido à enchente registada no primeiro dia, a direcção do Hospital Geral de Luanda alterou o método de atendimento. Os pacientes têm de deixar o nome e o número de telefone e esperar a chamadas.

“Estamos a receber todos os pacientes que estão à procura de atendimento”, garantiu Carlos Zeca, que deu ênfase ao facto de estar a ser feito um pré-diagnóstico para a identificação de casos prioritários.

Os 51 pacientes operados na segunda-feira já estão em casa, onde dão continuidade ao tratamento com base nas instruções médicas para a sua recuperação nos próximos dias. Ontem, foram operados mais 50 doentes. (Jornal de Angola)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »