Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Filha de ex-presidente peruano detida acusada de receber contribuições ilegais da Odebrecht

A poderosa líder opositora peruana Keiko Fujimori foi detida nesta quarta-feira (10) acusada de receber dinheiro da empreiteira Odebrecht, uma semana depois de a Justiça anular o indulto de seu pai, o ex-presidente Alberto Fujimori.

A filha mais velha de Fujimori (1990-2000) foi detida por um período máximo de 10 dias após depor à Procuradoria, assinalou a sua advogada Giuliana Loza, que chamou a decisão judicial de “atropelo e abuso”.

“Hoje me detiveram sem fundamentos jurídicos no momento em que eu voluntariamente me apresentava à Procuradoria”, tuitou Keiko Fujimori em sua primeira reação desde a detenção, onde qualificou o ocorrido de “perseguição política”.

“A perseguição se disfarçou de justiça no nosso país”, acrescentou.

“Isso se chama perseguição política”, afirmou, recordando que a Justiça a investiga há 18 anos, quando seu pai deixou a presidência.

A Justiça acusa Keiko, de 43 anos, de ter recebido da empreiteira 1,2 milhão de dólares para financiar a sua campanha para a presidência em 2011, vencida por seu adversário Ollanta Humala (também assinalado por ter recebido contribuições da Odebrecht).

A “medida é ditada por elementos fundados de convicção que relacionam os anteriormente citados com o delito de lavagem de dinheiro, perigo de fuga e obstaculização da investigação pelas supostas contribuições da empresa Odebrecht à campanha do Força Popular em 2011”, tuitou o Poder Judiciário em sua conta.

Minutos depois, seu irmão mais novo, Kenji, adversário dentro do fujimorismo, se solidarizou com a sua irmã pelo Twitter.

“Outro momento triste e duro em uma semana. Duro para a família. Acabei de saber da notícia, estive ao lado da minha mãe e depois com o meu pai. Lamento profundamente a situação vivida pela minha irmã e sua família”, tuitou Kenji.

A advogada havia assinalado que Keiko se colocou à disposição da Procuradoria, assinalando que a medida ordenada pelo juiz Richard Concepción Carhuancho pegou-os de surpresa. A líder opositora ficou detida na Prefeitura de Lima.

Além da líder do partido Força Popular (direita populista, principal força opositora que controla o Congresso peruano), outras 19 pessoas, entre elas Jaime Yoshiyama e Augusto Bedoya – ambos muito próximos aos Fujimori -, são investigadas por supostamente receberem fundos da empreiteira Odebrecht para a campanha presidencial de Keiko em 2011.

“A minha esposa, Keiko, é forte e vai sair disso mais forte do que nunca”, disse o seu marido, Mark Vito Villanella, que a acompanhou no depoimento.

A porta-voz do Força Popular e congressista Alejandra Aramayo lamentou em conversa com a rádio RPP “que a Justiça continue politizada, ainda mais quando (Keiko) estava participando de uma diligência pelo caso dos coquetéis destinados a coletar dinheiro para a sua campanha à presidência”.

O procurador responsável por casos de lavagem de dinheiro, José Domingo Pérez, atribuiu a Keiko o comando de uma “organização criminosa” dentro do seu partido para receber contribuições ilícitas.

Um dos efeitos da detenção será que “aumentará ainda mais o confronto entre o poder executivo e o Congresso”, advertiu a analista María Luisa Puig, da consultoria de risco político Eurasia.

Apesar disso, relativizou, ao afirmar ser “pouco provável que um confronto maior afete o presidente Martín Vizcarra e suas reformas, que já foram aprovadas no Congresso, ainda que com algumas mudanças, e provavelmente se ratificarão em um referendo em dezembro”. (AFP)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »