Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Angola e a China marcam um novo quadro económico

Autoridades angolanas e da República Popular da China assinam hoje, em Pequim, três acordos, entre os quais um para evitar a dupla tributação e outro sobre cooperação económica e técnica, além de um memorando de entendimento sobre recursos humanos, em cerimónia a ser testemunhada pelos Presidentes dos dois países, João Lourenço e Xi Jiping.

Desde ontem em Pequim, para a sua primeira visita de Estado à China, o Presidente João Lourenço testemunha igualmente, com o seu homólogo Xi Jiping, a assinatura do acordo sobre uma linha de crédito entre o Banco de Desenvolvimento da China e o Ministério das Finanças de Angola.

A visita de João Lourenço à China e os acordos a serem assinados amanhã são vistos como “prova da urgência e importância” que o Presidente angolano deposita nas questões de investimento para colocar a economia angolana a crescer, a criar postos de trabalho e produzir bens para satisfazer as necessidades internas e, depois, para exportar.

A visão é reforçada com o facto de João Lourenço ser o primeiro Chefe de Estado africano a regressar a Pequim um mês depois do Fórum de Cooperação China-África (Focac), que juntou o Presidente Xi Jiping, os líderes africanos e o Secretário-Geral das Nações Unidas, António Guterres, para avaliar novos rumos para a cooperação e desenvolvimento do continente e do gigante asiático.

Ao lançar a cimeira, a China anunciou um pacote de 60 mil milhões de dólares para cooperar com África. Sem perder tempo, na altura, o ministro das Relações Exteriores, Manuel Augusto, revelou negociações entre as autoridades angolanas e chinesas para definir um novo quadro geral de cooperação financeira.

O argumento era reforçado com a presença, pela segunda vez, num espaço de um mês, do ministro das Finanças, Archer Mangueira. Algumas fontes chegaram a dar como certas negociações para um empréstimo de 11 mil milhões de dólares, para financiar vários projectos, principalmente de estradas e energia. O valor real negociado deve ser revelado amanhã, quando for assinado o acordo sobre a linha de crédito do Banco de Desenvolvimento da China. Esta nova facilidade de financiamento surge numa altura em que o acumulado da dívida (stock) com a China está calculado em cerca de 23 mil milhões de dólares. (Jornal de Angola)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »