Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Cabo Verde. Montagens com a cara de líder da oposição em imagens pornográficas gera indignação

A manipulação e publicação no Facebook de uma imagem da líder do maior partido da oposição em Cabo Verde está a criar uma onda de indignação. Janira Almada fala em “baixa política”.

A manipulação e publicação no Facebook de uma imagem da líder do maior partido da oposição em Cabo Verde (PAICV) foi condenada esta sexta-feira pelo partido do Governo, o primeiro-ministro, o presidente da Assembleia Nacional e o chefe de Estado.

O Partido Africano para a Independência de Cabo Verde (PAICV) anunciou na quinta-feira que a sua presidente vai apresentar uma queixa na Comissão Nacional da Protecção de Dados e na Procuradoria-Geral da República contra os autores de montagens com a sua cara em situações pornográficas.

Na sua página na rede social Facebook, Janira Hopffer Almada escreveu que foi alertada por “vários amigos e camaradas” de que estavam a circular nas redes sociais “imagens montadas e manipuladas, em situações pornográficas”, com a fotografia da sua cara.

“Quanto desespero! Quanta vontade de me denegrir e de me atingir! Mas, confesso-vos que não me espantou! Pela baixa política de que tenho sido alvo, essa é apenas mais uma tentativa de me denegrir, por um lado, e de me desanimar, por outro lado!”, prossegue o comentário da líder do PAICV.

Em comunicado, o PAICV manifestou a sua “indignação e repúdio, pela baixa política, com a montagem e manipulação da imagem da presidente do partido”.

Esta sexta-feira, o partido no poder em Cabo Verde — o Movimento para a Democracia (MpD) — publicou um comunicado na rede social Facebook a condenar “veementemente a manipulação da imagem da Dr.ª Janira Hopher Almada publicada em post do Facebook, quer na sua qualidade de presidente do PAICV, quer de cidadã respeitável deste país”.

O MpD condenou ainda e “com a mesma veemência” a tentativa de imputar ao partido a autoria da publicação.

“O MpD não adopta esses métodos na luta política, assim como qualquer outro instrumento de comunicação panfletária e cobarde a coberto de anonimato”, lê-se na nota que prossegue: “Quem tem razões para estar desesperado seguramente não é o MpD. Não faz sentido nenhum”.

Também através do Facebook, o primeiro-ministro cabo-verdiano, Ulisses Correia e Silva, classificou de “condenável, seja com que motivação for e de onde vier, a manipulação de imagens nas redes sociais de pessoas com responsabilidades políticas neste país, como aconteceu com a Dra. Janira Hopher Almada”.

“É condenável que, implícita ou explicitamente, se acuse ou se deixe no ar a acusação velada a adversários políticos por tão hediondo método usado no Facebook para atingir a presidente do PAICV”, prossegue o chefe do Governo.

Para Ulisses Correia e Silva, “moralizar a política e apresentá-la aos olhos dos cidadãos como uma actividade nobre desenvolvida por mulheres e homens bons deste país, é uma obrigação de todos os partidos políticos e uma responsabilidade da cidadania”.

Outra reacção registada esta sexta-feira pela agência de notícias cabo-verdiana (Inforpress) foi a do presidente da Assembleia Nacional, Jorge Santos, que defendeu a criação de condições legislativas para blindar a manipulação de imagem.

No final de uma visita à estação da Rádio Televisão de Cabo Verde, na cidade da Praia, Jorge Santos disse aos jornalistas que “as redes sociais têm que transmitir notícias, circular comunicação e não denegrir a imagem das pessoas”.

“Eu penso que a regulação nacional, e nós, enquanto poderes públicos, e o Parlamento em particular, como casa das leis, devemos criar condições legislativas para blindar esse tipo de acções”, declarou.

Também citado pela Inforpress, o Presidente da República cabo-verdiano condenou a montagem usando a imagem de Janira Hopffer Almada e manifestou a “total solidariedade pessoal e institucional” para com a líder do maior partido da oposição.

Para Jorge Carlos Fonseca, esta atitude é inaceitável. “O bom nome das pessoas e o direito à imagem não pode ser tratado desta forma baixa e inusitada”, afirmou. (Observador)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »