Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Ex-Presidente peruano diz que regresso à prisão é condenação à morte

O ex-Presidente do Peru Alberto Fujimori, hospitalizado desde quarta-feira, depois de o Supremo Tribunal ter anulado o indulto concedido no final do ano passado, considerou hoje uma condenação à morte o regresso à prisão.

Fujimori, de 80 anos, implorou às autoridades para que não seja detido à saída da clínica onde se encontra, num vídeo registado com o ex-Presidente deitado numa cama.

“Eu quero pedir ao Presidente da República, aos juízes: por favor, não me matem. Se voltar à prisão, o meu coração não vai aguentar, está demasiado fraco. Não me condenem à morte, nada mais me causa mais medo”, afirmou Alberto Fujimori, Presidente do Peru de 1990 a 2000.

A filha do antigo chefe de Estado e dirigente da oposição, Keiko Fujimori, de 43 anos, disse, na quarta-feira, que a decisão foi “desumana”.

“É o dia mais triste das nossas vidas, é muito mau”, afirmou, perante os jornalistas.

Depois de divulgado o vídeo, o ministro do Interior, Mauro Medina, declarou à rádio RPP que Fujimori, hospitalizado após descompensação e aceleração do ritmo cardíaco, “está já considerado detido” e informou que agentes da polícia se encontram defronte da clínica.

“Esperamos a sua saída da clínica para o conduzir ao estabelecimento prisional”, notou o membro do Governo.

O juiz Hugo Nunez anulou o indulto depois de analisado o recurso das famílias das vítimas do Governo de Fujimori, condenado por crimes contra a humanidade.

O advogado das famílias das vítimas, Carlos Rivera, afirmou à agência France-Presse que a decisão do Supremo foi correta, porque “irregularidades foram cometidas no momento do indulto”.

A Comissão Interamericana dos Direitos Humanos revelou que esta decisão foi uma grande “vitória para as vítimas e um passo à frente na luta contra a impunidade”.

“Justiça foi feita”, disse Rosa Rojas, que perdeu o filho, de 8 anos, e o marido em 1991, num dos dois massacres que levaram à condenação de Fujimori, perpetrados por um esquadrão da morte.

A libertação prematura de Fujimori, no final de 2017, após perdão da pena assinado pelo ex-Presidente Pablo Pedro Kuczynski, desencadeou uma crise política e protestos de organizações de direitos humanos e vítimas da repressão.

Aposentado da política, Fujimori morava sozinho numa casa arrendado, num bairro de luxo de Lima, capital do país.

Nos últimos anos, o antigo Presidente do Peru recorreu várias vezes ao hospital, tendo sido por diversas ocasiões operado por causa de um cancro na língua. (Notícias ao Minuto)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »