Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

PSP recusa acusações de tolerância ao racismo e considera-as inaceitáveis

A PSP recusou as acusações de ser tolerante ao racismo, que considera inaceitáveis e que colocam em causa a honorabilidade da instituição, e garantiu que é sim “intolerante a atitudes xenófobas ou racistas”.

A PSP “promove uma cultura de respeito e de tolerância interagindo com todos os setores da sociedade portuguesa de forma transparente”, e age contra quem dentro da instituição viola a lei, diz a direção nacional da polícia em comunicado.

O comunicado surge na sequência de acusações, divulgadas hoje, da Comissão Europeia contra o Racismo e a Intolerância, organismo do Conselho da Europa, que acusa a hierarquia da PSP e a Inspeção-geral da Administração Interna de serem tolerantes ao racismo, pedindo que a polícia pare de relativizar a violência contra negros e ciganos.

No seu relatório sobre Portugal, a Comissão Europeia contra o Racismo e a Intolerância (ECRI, na sigla em inglês) elogia o trabalho feito nos últimos anos, mas aponta também várias críticas, muitas delas relativamente à atuação das autoridades policiais.

A PSP lembra que o relatório hoje publicado decorreu de uma visita de peritos a Portugal numa semana de novembro do ano passado, acrescentando que não compreende como a instituição europeia pode tirar tais conclusões “tendo maioritariamente por base notícias publicadas e perceções sobre acontecimentos”, e tomando “como relevantes apenas uma das partes intervenientes”.

Diz a polícia que a informação que deu à ECRI não foi considerada, que nada do que disse a PSP aparece no relatório e que por isso não foi “materializado o direito do contraditório”.

Com “um volume de interações individuais anuais superiores a 2,5 milhões, que opera em ambientes urbanos complexos e que tem diariamente intervenções de risco”, não se pode querer reduzir a PSP “a um ou dois eventos, os quais, de resto, ainda se encontram em fase de julgamento e como tal, com presunção de inocência dos envolvidos até ao trânsito em julgado”, diz-se no comunicado.

“Assume o relatório a existência de racismo institucional na Polícia, tolerado pela hierarquia, assunção que consideramos inaceitável, que coloca em causa a honorabilidade da instituição policial e daqueles que a servem, só sustentadas em desconhecimento e conceções enviesadas da atividade policial”, refere o comunicado da Polícia de Segurança Pública.

A PSP lamenta que o relatório “se consubstancie num conjunto de omissões e versões subjetivas e parciais da realidade”, diz que prestou toda a informação à ECRI e adianta que não pode aceitar as referências feitas aos profissionais e à instituição.

E conclui afirmando que vai manifestar o seu desagrado e descontentamento pelas referências constantes do relatório, junto das instâncias competentes. (Notícias ao Minuto)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »