Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Ex-porta-voz da PJ Militar obrigado a ficar em casa sem vigilância

O ex-porta-voz da Polícia Judiciária Militar major Vasco Brazão ficou, esta madrugada de quarta-feira, sujeito à medida de coação de permanência na residência sem vigilância eletrónica, disse o seu advogado.

Depois de uma interrupção cerca das 22h, o interrogatório ao ex-porta-voz da Polícia Judiciária Militar (PJM) major Vasco Brazão, que regressou a Portugal na segunda-feira, terminou já madrugada dentro. À saída do Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa, o advogado Ricardo Sá Fernandes revelou aos jornalistas que ao seu cliente foi aplicada a medida de coação de permanência na residência sem vigilância eletrónica.

O major Vasco Brazão ficou ainda sujeito a outras medidas de coação, nomeadamente não poder contactar com os restantes oito arguidos do processo, acrescentou o advogado.

Este foi o mais longo interrogatório dos nove arguidos no processo de recuperação das armas desaparecidas de Tancos, com uma duração de cerca de sete horas, dividida pela manhã, tarde e noite de terça-feira, e que terminou apenas na madrugada de hoje.

Na opinião do advogado Ricardo Sá Fernandes, as declarações do ex-porta-voz da PJ Militar que evitaram a aplicação de uma medida de coação mais grave, garantindo, aliás, que não tenciona “recorrer da decisão” do juiz João Bártolo.

“Não vamos recorrer da decisão. Aceitamos a decisão, aceitamos que a decisão, no contexto em que é proferida, é uma decisão equilibrada. O tribunal valorizou muito a colaboração que o major Vasco Brazão deu para este caso. [O tribunal] entendeu, no essencial, que aquilo que ele [Vasco Brazão] veio aqui falar foi a verdade. E eu julgo que o major mostrou ser uma pessoa honrada, um homem decente, uma pessoa com princípios, e que está aqui para ajudar a descobrir a verdade neste caso”, destacou o advogado.

Recorde-se que, o militar português encontrava-se na República Centro-Africana em serviço com o contingente português da força das Nações Unidas e era alvo de um pedido de detenção feito pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal ao Estado-Maior General das Forças Armadas, tendo regressado a Portugal na segunda-feira.

A detenção ocorreu no âmbito da operação Húbris, que investiga o caso da recuperação das armas furtadas em Tancos e que envolve o diretor e outros três responsáveis da Polícia Judiciária Militar, um civil e três elementos do Núcleo de Investigação Criminal da GNR de Loulé.

Ao major Vasco Brazão acabou por ser aplicada a segunda medida de coação mais gravosa, depois de na passada sexta-feira (dia 28), o Tribunal de Instrução Criminal (TIC) de Lisboa ter decretado a prisão preventiva para o diretor da Polícia Judiciária Militar, Luís Vieira, e para o civil.

Os restantes seis arguidos ficaram em liberdade, embora sujeitos a termo de identidade e residência, suspensão do exercício de funções, proibição de contacto com os coarguidos e com quaisquer militares das Forças Armadas, da GNR e elementos da PJM.

O TIC esclareceu que aplicou estas medidas ao diretor da PJM, aos restantes três elementos daquela polícia e aos três GNR pelo “perigo de continuação da atividade criminosa e perigo de perturbação do decurso do inquérito, aquisição e conservação da prova”.

Para o único arguido civil, João Paulino, que responde pelos crimes de tráfico de armas e tráfico de droga, o juiz de instrução criminal João Bártolo considerou que há “perigo de continuação da atividade criminosa e de fuga”. (Notícias ao Minuto)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »