Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Independentistas da Catalunha voltam a manifestar-se hoje para assinalar o 1º aniversário do referendo

Os independentistas catalães voltam hoje a manifestar-se em Barcelona pela criação de uma República independente e pela libertação do que chamam “presos políticos”, no dia em que se assinala o primeiro aniversário do referendo unilateral da independência.

As várias concentrações previstas para hoje surgem depois de, em 11 de setembro, um milhão de pessoas, segundo a polícia municipal, terem participado numa manifestação nas avenidas do centro de Barcelona por ocasião de “A Diada”, o Dia da Catalunha.Ocorrem também dois dias depois de confrontos entre polícias e independentistas terem feito 24 feridos e dois detidos no sábado, nas ruas de Barcelona.

Os confrontos ocorreram durante duas manifestações diferentes, uma organizada pelas forças policiais espanholas e outra convocada pelos independentistas, que pretendiam assinalar o primeiro aniversário do referendo de 01 de outubro, marcado pela vitória ao “Sim” à independência da Catalunha.

Os polícias, oriundos de toda a Espanha, manifestavam-se para reclamar melhores salários, mas também para homenagear os agentes que foram destacados em 2017 para impedir a realização da consulta pública de 1 de outubro, motivo esse que indignou os separatistas que organizaram uma contramanifestação.Os independentistas reclamam há muito tempo um referendo regional sobre a independência da Catalunha, em moldes semelhantes aos que foram realizados no Québec (Canadá) ou na Escócia (Reino Unido).

No entanto, a Constituição de Espanha apenas permite uma consulta eleitoral que ponha em causa a unidade do país se for realizada a nível nacional.

O Governo regional liderado por Carles Puigdemont, apoiado desde 2015 por uma maioria parlamentar de partidos separatistas, organizou e realizou um referendo em 1 de outubro de 2017, que foi considerado ilegal pelo Tribunal Constitucional espanhol.Essa votação teve uma taxa de participação de 43%, dos quais 92% votaram “sim” à pergunta “Quer que a Catalunha seja um estado independente em forma de república?”.

Os “constitucionalistas” (defensores da união com Espanha) boicotaram a consulta, ficando em casa.

O processo de independência da Catalunha foi interrompido em 27 de outubro de 2017, quando o Governo central espanhol decidiu intervir na Comunidade Autónoma na proclamação unilateral da independência.As eleições regionais, que se realizaram em 21 de dezembro último, voltaram a ser ganhas pelos partidos separatistas.

Nove dirigentes independentistas estão presos à espera de julgamento por delitos de rebelião, sedição e/ou peculato pelo seu envolvimento na tentativa separatista falhada.Os independentistas consideram que os detidos em prisões espanholas pelo seu envolvimento na tentativa de autodeterminação são “presos políticos”.

O principal líder independentista, o ex-presidente da Generalitat Carles Puigdemont, vive exilado na Bélgica, depois de a Justiça espanhola não ter conseguido a sua extradição da Alemanha, para ser julgado por crime de rebelião.

O conflito entre Madrid e a região mais rica de Espanha, com cerca de 7,5 milhões de habitantes, uma dimensão de um terço da área de Portugal, uma língua e culturas próprias, arrasta-se há várias décadas. (Notícias ao Minuto)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »