Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Assassinatos e assaltos à mão armada instalam clima de medo no bairro da Terra Nova

A criminalidade violenta instalou-se nas ruas do bairro da Terra Nova, no distrito urbano do Rangel, província de Luanda, onde os assassinatos e os assaltos à mão armada estão a tirar a tranquilidade aos moradores, que atribuem a insegurança crescente à falta de patrulhamento no período nocturno.

Os relatos de crimes sucedem-se pelas artérias do bairro da Terra Nova, com especial incidência nas ruas da Ilha da Madeira, Henrique Gago da Graça, vulgo Maria Alice, e Macau, nos arredores do viaduto inacabado da avenida Hoji ya Henda, na circunvizinhança entre o Rangel e o Cazenga.

“Nos dias 16 e 17 deste mês houve dois assassinatos com recurso a arma branca (faca). Dois homens perderam a vida nas imediações do viaduto inacabado da avenida Hoji ya Henda por reagirem a assaltos”, contou ao NJOnline Joy Gonçalves, morador do bairro da Terra Nova há mais de 30 anos.

O sentimento de insegurança mantém Augusto José, de 32 anos, em estado de alerta. Proprietário de uma lanchonete na rua de Macau, uma das mais movimentadas do bairro – que dá acesso ao centro de saúde Beiral, à ex-fábrica de cigarros (FTU) e à rua do mercado do Tunga N”gou -, o comerciante já passou pelo trauma de ser assaltado, tanto na rua como no interior do seu estabelecimento comercial.

“Fui assaltado por duas vezes. A primeira foi com recurso a arma de fogo no interior do meu estabelecimento, e a segunda foi com arma branca (faca). Eu tentei reagir e sofri alguns ferimentos. Sei que não se deve reagir, mas foi a minha reacção no momento”, recorda.

Na factura de crimes recentes no bairro, Augusto José coloca ainda o assassinato a tiros de um jovem de 23 anos, ocorrido no passado dia 14 de Julho.

“O homicídio aconteceu por volta das 21h. Mataram o rapaz aqui em frente da minha lanchonete, com três tiros: um na perna, outro no braço, e mais um na cabeça”, relata o comerciante, acrescentando que o atirador continua à solta.

“Dizem que foi um agente do Serviço de Investigação Criminal (SIC) que assassinou o rapaz, mas até hoje o caso não foi esclarecido”, lamenta, sem esconder os receios.

Medo de sair de casa

“Nos últimos meses está a dar medo sair de casa, mas temos que sair porque a vida não pára”.

O aumento da criminalidade no bairro é igualmente assinalado por Nacobeta, taxista há 13 anos e residente na Terra Nova desde a sua adolescência.

Ao NJOnline, o morador garante que nunca viu o bairro mergulhado numa maré de crimes como aquela que se está a observar agora.

“É muita coisa que enfrentamos todos os santos dias aqui. Quando notamos que está a vir uma moto, ficamos atentos, principalmente se estiver com duas pessoas”, desabafa, sublinhando que não tem outra opção a não ser rezar para que nada de mal aconteça. “Aqui os assaltos são frequentes, se não és tocado pelos meliantes tens de dar graças a Deus”.

Não foi o caso de uma professora ouvida pelo NJOnline. A docente, que falou sob anonimato, recorda um assalto de que foi vítima à porta de casa, por volta das 17h, quando regressava do serviço.

“Foi interpelada por dois jovens que estavam a andar a pé. Um deles tirou a arma e apontou-me nas costas, e o outro abriu a minha pasta e tirou o telemóvel e 20 mil Kwanzas que tinha acabado de tirar no multicaixa”, relatou, sublinhando que não entende a razão da existência no bairro do Serviço Provincial de Investigação Criminal (SPIC), se os crimes são frequentes.

Para além de apontar o dedo à falta de patrulhamento, a professora defende que os moradores também têm responsabilidade no aumento da violência.

“Aqui há moradores com filhos delinquentes que não aceitam denunciá-los às autoridades. Deste modo será complicado combater ou reduzir a delinquência que se tem alastrado dia após dia”, conta, lembrando os tempos menos conturbados.

“A Terra Nova era um bairro tranquilo, começou a mudar de há uns anos para cá. Não sei o que aconteceu”, resigna-se a mulher, lamentando que em plena luz do dia muitos rapazes com idades entre os 13 e os18 anos fiquem “nos cantos a fumar estupefacientes, vulgo liamba”.

Patrulhamento na zona está a ser reforçado, garante MININT

erante este quadro de criminalidade, que tem tirado o sossego dos moradores, o NJOnline contactou o director de comunicação do Ministério do Interior, intendente Mateus Rodrigues, que confirmou os dois homicídios dos dias 16 e 17 deste mês, e garantiu que já tem dois detidos referentes ao assassinato do dia 17.

“Reconhecemos a existência desta preocupação em função dessas ocorrências, particularmente das duas que terminaram na morte de dois cidadãos, e das reclamações que vão sendo ouvidas”, disse, acrescentando que “já está a ser reforçado o patrulhamento na zona”.

O responsável pelo gabinete de comunicação do MININT adiantou que esse patrulhamento será feito durante os períodos da manhã e da noite e com o apoio do SIC.

“Para além da Polícia de Ordem Pública no terreno, os efectivos do Serviço de Investigação Criminal (SIC) também darão suporte nas diligências para depositarmos a tranquilidade naquela zona”, concluiu. (Novo Jornal Online)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »