Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Mudança de nome da Macedónia recebe o sim de 90% dos votantes

Mais de 90% dos eleitores que participaram no referendo de hoje na Macedónia aceitaram que o país passe a ser a “República da Macedónia do Norte”, segundo resultados da comissão eleitoral.

Após a contagem de 43,57% dos boletins de voto, o “Sim” ganha com 90,72% dos votos, contra 6,26% para o “Não”.

Segundo os últimos números disponíveis relativos à participação do eleitorado, a abstenção foi elevada. Mais de dois terços dos eleitores não tinha votado meia hora antes do fecho das mesas de voto, às 19:00 (17:00 GMT).

“Mais de 90%” dos eleitores aprovaram por referendo este domingo o acordo com a Grécia que visa mudar o nome da Macedónia e o Parlamento deve “confirmar a vontade da maioria”, disse à AFP o primeiro-ministro Zoran Zaev, depois de terem sido conhecidos os primeiros resultados.

O referendo é consultivo e deve ser validado por uma maioria de dois terços dos deputados.

Contudo, o chefe do Governo social-democrata e os seus aliados dos partidos da minoria albanesa não dispõem dessa maioria.

A participação hoje no referendo sobre a mudança de nome da antiga república jugoslava da Macedónia foi muito fraca até metade do período de votação, tendo votado 16% dos 1,8 milhões cidadãos com direito a voto, segundo dados oficiais, revelados durante a tarde.

De acordo com o presidente da Comissão Eleitoral Estatal, Oliver Derkoski, citado pela agência noticiosa espanhola EFE, aqueles dados correspondiam à votação realizada até às 13:00 locais (12:00 de Lisboa).

À parte disso, a jornada eleitoral estava a decorrer sem problemas de maior, assinalou na altura Derkoski.

Nas últimas eleições efectuadas no país, as municipais de 2017, a participação eleitoral à mesma hora era de 27,30%.

Segundo a Constituição da Macedónia, o resultado do referendo só será válido se reunir 50% do eleitorado, o que se traduz em cerca de 903.000 votos.

As previsões são de que a participação fique abaixo dos 50%.

Apesar da votação só ter um carácter consultivo, no caso de o referendo não alcançar os índices de participação mínima para ser considerado válido, o Governo terá uma tarefa difícil em convencer o parlamento a aprovar a emenda constitucional, para mudar o nome do país.

O principal partido da oposição, a aliança conservadora VMRO-DPMNE, informou que o seu líder, Hristijan Mickoski, se abstém de votar, porque considera a pergunta do referendo “manipuladora”.

A pergunta em consulta não aludia directamente ao nome final que adoptará esta antiga república jugoslava, em caso de superar o processo de ratificação, ou seja, República da Macedónia do Norte, mas pede aos votantes que digam se apoiam ou não a integração na União Europeia e a NATO, assim como se aceitam o acordo entre a República da Macedónia e a Grécia.

Os ministros dos Negócios Estrangeiros macedónio e grego, Nikola Dimitrov y Nikos Kotzias, assinaram um acordo, em Junho, para que se utilize o nome “Macedónia do Norte”, tanto a nível nacional como internacional, fechando assim um conflito aberto sobre a designação deste país balcânico desde que se tornou independente da Jugoslávia, em 1991.

A concretização do acordo abrirá caminho para a integração do país na UE e na NATO, que tem sido obstaculizado pela Grécia, que tem pretensões territoriais do país vizinho sobre a região homónima do norte da Grécia. (Notícias ao Minuto)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »