Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Moçambique apresenta Parque da Gorongosa como modelo internacional

O Presidente da República de Moçambique, Filipe Nyusi, declarou, em Nova Iorque, que o Parque da Gorongosa demonstra um “novo modelo de gestão de parques nacionais do século XXI”, numa cerimónia de apresentação internacional.

O chefe de Estado moçambicano disse, frente a uma plateia internacional de cerca de 250 convidados, que, em 12 anos, o Parque da Gorongosa tornou-se um “marco nas vertentes de economia, investigação, formação e desenvolvimento humano”.

A cerimónia de apresentação internacional do projecto de gestão do Parque da Gorongosa, decorreu na quinta-feira em Nova Iorque, à margem da Assembleia-Geral das Nações Unidas.

O chefe de Estado disse que a conservação da biodiversidade é uma prioridade para a legislatura do actual governo e apelou à continuação de todos os esforços para a realização da agenda, que tem contribuído para a “restauração da identidade ecológica das paisagens moçambicanas”.

O evento foi realizado no hotel Millenium Hilton, na Praça das Nações Unidas, em frente à sede da ONU e contou com discursos do Presidente da República de Moçambique e de administradores e directores de várias instituições internacionais, como o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Irish Aid e Agência dos Estados Unidos da América para o Desenvolvimento Internacional (USAID, na sigla em inglês).

A língua portuguesa foi falada em diferentes dialectos na cerimónia, já que quase todos os oradores agradeceram o convite em português.

A cerimónia durou uma hora e meia e começou com um vídeo de “Hoyo-Hoyo” (boas vindas, na língua changana, outra língua falada em Moçambique).

William Steiger, chefe da USAID, começou o seu discurso com um português brasileiro fluente e, já em inglês, falou do “sucesso” da parceria de mais de dez anos com o governo moçambicano e o Parque da Gorongosa.

O especialista declarou o “orgulho” dos EUA com “a vida selvagem e recuperação de terras”.

Em Outubro de 2016, uma contagem aérea de 52% do território encontrou cerca de 78.600 herbívoros de 19 espécies, como piva, pala-pala ou cudo, espécies de antílopes da África.

Num período de menos de um ano, setenta investigadores de mais de 20 universidades moçambicanas e internacionais desenvolveram diversos projectos, dizem informações enviadas pelos organizadores.

“Para nós, globalmente, este é um exemplo de onde a USAID quer estar no futuro”, disse William Steiner, acrescentando que o projeto da Gorongosa inspirou várias iniciativas semelhantes na África.

A mesma posição foi demonstrada pelo secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros da Noruega, Jens Frolich Holte, que destacou o sucesso na conservação da vida selvagem e redução da pobreza dos habitantes locais.

Jens Frolich Holte congratulou-se com os “40 anos de boas relações com Moçambique” e disse que a Noruega vai continuar empenhada no projecto ambiental moçambicano: “venho de uma nação que tem uma grande experiência em gerir recursos nacionais de forma sustentável e a longo-prazo”.

“Moçambique é autossuficiente” e tem a capacidade de fazer por si aquilo que atingiu com ajuda de doadores, enfatizou o administrador do PNUD, Achim Steiner.

Os programas de formação oferecidos no Parque da Gorongosa incluem diferentes áreas de conhecimento, como agricultura e plantação do café e de caju, mas existem também diversas actividades extracurriculares, como o Clube das Raparigas, que visa manter as jovens meninas na escola e prevenir casamentos prematuros e gravidezes precoces, financiado pela primeira-dama de Moçambique, Isaura Nyusi.

No plano da formação, o Parque da Gorongosa acolheu este ano um Mestrado em Biologia da Conservação, oferecido a 12 jovens pelo consórcio “BioEducação” e foi suportado pela Fundação Americana Howard Hughes Medical Institute of Science Education (HHMI Science Education) e pelo Fundo de Desenvolvimento Institucional do Ministério de Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e Técnico Profissional de Moçambique.

No país africano, as áreas de conservação são constituídas por sete parques nacionais e 12 reservas nacionais, 25% do território nacional.

Filipe Nyusi defendeu que “a experiência nacional na conservação da biodiversidade é extremamente importante para o bem-estar económico e social” e que a biodiversidade é recurso chave para o desenvolvimento integral do país.

O trabalho na Gorongosa, depois do conflito civil que destruiu a área, tem conseguido “manter cada vez mais viva a chama do anseio de trazer a humanidade ao seu sentido”, disse o Presidente da República de Moçambique, Filipe Nyusi. (Notícias ao Minuto)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »