Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Se é para combater a corrupção, vamos precisar de mais prisões – Rafael Marques

João Lourenço chegou à cidade Alta a 26 Setembro de 2017 e, desde então, não tem perdido tempo. No espaço de um ano arrumou a casa, exonerou os escolhidos pelo seu antecessor José Eduardo dos Santos e nomeou os da sua confiança.

Em 12 meses, cerca de 400 nomeações e 230 exonerações. As contas foram feitas pela agência portuguesa de notícias Lusa.

Uma exoneração a cada dois dias entre governantes, administradores de empresas públicas e altas chefias militar.

Para Rafael Marques, activista angolano, o actual presidente de Angola “está a fazer um trabalho fundamental no sentido de desarticular a cultura de impunidade e de pilhagem que se instalou no seio da classe do MPLA, que está no poder há 43 anos.

Por isso posso dizer que o balanço é positivo (…). Há outros passos que deve dar (…) que é cuidar da economia e da reforma institucional no sentido de se diminuírem os seus poderes constitucionais e devolver o Estado aos seus soberanos, porque os poderes que o presidente tem são um perigo para a democracia e devem ser reduzidos.”

Questionado sobre possíveis retaliações e criação de anticorpos dentro do MPLA, o director do site Maka Angola é peremptório: “o que João Lourenço está a fazer é fundamental e deve ter o apoio de toda a sociedade (…) anticorpos de quem? Do Higino Carneiro? (antigo ministro das Obras Públicas e antigo governador de Luanda acusado de ter esvaziado os cofres do Ministério das Obras Públicas durante a sua gestão entre 2002 a 2010).

Dos ladrões que andaram a desgraçar o povo angolano? Dos seus sócios estrangeiros? Não. (…) O que deve haver também é a criação de mais estabelecimentos prisionais. Se é, efectivamente, para combater a corrupção, vai precisar de muito mais celas e cadeias para acomodar toda esta gente. Roubaram, desgraçaram um povo inteiro. Têm de ir para a cadeia. (…) Mas também é necessário reformas profundas no sistema judicial, porque também há muita corrupção no sistema judicial. (…) É preciso desmistificar essa noção [dos anticorpos], ele [João Lourenço] não está a criar anticorpos.

Pelo contrário, a sociedade está claramente de acordo com esta iniciativa anticorrupção”.

Aline Frazão, cantora angolana, realça a necessidade de o Governo de João Lourenço apostar nas áreas sociais onde existem muitas carências, sobretudo fora de Luanda. A bandeira de luta contra a corrupção é importante, mas é preciso mais justiça social em Angola.

Aline Frazão foi entrevistada por Lígia Anjos a propósito do deu último trabalho “Dentro da Chuva” que chega esta quinta-feira a Luanda. (Sapo 24)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »