Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Marcelo defende na ONU a retoma do processo negocial israelo-palestiniano

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, defendeu esta quarta-feira que “o bom senso convida a uma retoma do processo negocial credível” entre Israel e a Palestina “conduzindo a uma solução viável de dois Estados”.
Na sua intervenção no debate geral da 73.ª sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova Iorque, o chefe de Estado afirmou que “a estabilização e a paz sustentadas no Médio Oriente exigem a resolução do conflito israelo-palestiniano”.

“O bom senso convida a uma retoma do processo negocial credível, encarando todas as questões do estatuto final, incluindo a questão de Jerusalém, e conduzindo a uma solução viável de dois Estados, assente na coexistência em paz e em segurança de Israel e da Palestina”, acrescentou.

No seu discurso, o Presidente da República falou também da situação na Síria, que qualificou de “dramática”, com “um dos maiores fluxos de refugiados, na região e fora dela”.Segundo Marcelo Rebelo de Sousa, “só uma solução política, substantiva, inclusiva e mediada pelas Nações Unidas garantirá o efetivo e abrangente apoio internacional à reconstrução” da Síria.

“Infelizmente, em certas zonas do Médio Oriente e do Magrebe continua a haver sinais de permanente instabilidade política, social e económica”, lamentou.

No seu discurso, feito na presença do secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, o Presidente da República defendeu ainda que “a comunidade internacional deve unir-se para ajudar à situação humanitária e securitária e à criação de um Estado sólido” na Líbia.

Em relação ao Iémen, disse que “permanece o palco de uma das maiores crises humanitárias da atualidade, atingindo em especial os mais vulneráveis, mulheres e crianças”, e que “só soluções políticas com mediação das Nações Unidas e o respeito do direito internacional humanitário poderão inverter uma situação cada vez mais dramática”. (Sic Notícias)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »