Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Angola Cables: Entrada em funcionamento do SACS vai revolucionar a conectividade global

Oficialmente, o SACS entra em operação a partir de hoje, quinta-feira, 27 de Setembro, altura em que a empresa construtora do sistema, NEC Corporation, procederá à entrega da empreitada, em Luanda, no Hotel Palmeiras, em Talatona, num evento que contará com a presença das autoridades do sector em Angola, lê-se no comunicado enviado ao Portal de Angola.

O Sistema de Cabos Submarinos do Sul do Atlântico (SACS) está pronto para entrar em funcionamento e aberto ao tráfego. O novo circuito de informação digital é a primeira e mais rápida ligação entre o continente africano e as Américas, com a menor latência e capacidade de fornecer um roteamento mais directo para o tráfego da Internet no Hemisfério Sul.

O SACS, da multinacional angolana de telecomunicações, Angola Cables, foi fabricado e instalado pela NEC Corporation, um dos sistemas de cabos submarinos mais avançados a entrar em operação comercial conectando Angola (África) e Brasil (América do Sul).

As velocidades de transferência de dados serão consideravelmente melhoradas (cinco vezes mais rápido do que as rotas de cabos existentes), reduzindo a latência de Fortaleza (Brasil) para Luanda (Angola) de 350 a 63 milésimos de segundo. Luanda, também se conectará a Londres e Miami com aproximadamente 128 milésimos de segundos de latência. Estes dois principais hubs de conteúdos, posicionarão Angola como um ponto estratégico para servir a região transatlântica com baixa latência e conexões resilientes.

Dadas as conexões para o recém-concluído sistema Monet e o WACS (Sistema de Cabos Submarinos da Costa Ocidental Africana), o SACS também oferecerá latência reduzida entre Miami (EUA) e a Cidade do Cabo (África do Sul) de 338 a 163 milésimos de segundos.

O SACS, sublinha-se, oferece alta qualidade de serviço e melhor latência de até 60% em relação às opções actuais de roteamento. O cabo também contribuirá para reduções nos custos de tráfego de dados entre a América do Sul e a África, oferecendo economias para as operadoras que, por sua vez, poderiam ser repassadas aos usuários finais e clientes.

Segundo António Nunes, CEO da Angola Cables, estima-se que as comunicações directas entre a África e as Américas geram várias vantagens em todo o mundo para provedores de serviços de Internet (ISPs), provedores de serviços em nuvem (CSP’s) e provedores de conteúdo superiores (OTTs) que usam essas conexões.

Esta nova rota mudará a dinâmica do tráfego da Internet no Hemisfério Sul e, combinado com o Monet e o WACS, alterará drasticamente

as opções globais de roteamento de tráfego digital, sobretudo, porque o SACS é uma nova via para dados entre redes, grandes provedores de conteúdo e alguns dos mercados que mais crescem para o consumo de dados.

“Nossa ambição é transportar pacotes de dados da América do Sul e da Ásia através do nosso hub africano usando SACS e, juntamente com a Monet e o WACS, fornecer uma opção de conectividade directa mais eficiente entre a América do Norte, Central e do Sul para a África, Europa e Ásia.

Ao desenvolver e conectar ecossistemas que permitem que o tráfego de IP local seja trocado local e regionalmente, expandindo a eficiência das redes que atendem o Hemisfério Sul, considerando que, à medida que esses desenvolvimentos progridem, eles terão um impacto considerável para o futuro crescimento e configuração da Internet global .
A entrada em funcionamento do cabo SACS é um salto gigantesco na conectividade transatlântica e terá um impacto profundo na conectividade digital global, ao mesmo tempo em que se espera acelerar a actividade comercial nos setores de TIC e estimular as economias emergentes em África e na América Latina.

O cabo permitirá aos provedores de serviços de internet e utilizadores africanos um caminho mais directo e seguro para as Américas – sem ter que passar pela Europa. Os provedores de serviços de conteúdo na América Latina também poderão se beneficiar com a opção de usar a rota SACS para alcançar mercados em África e na Europa, sem utilizar os tradicionais e de alto volume, rotas de tráfego de internet do Hemisfério Norte.

O SACS é detido e gerido em 100% pela Angola Cables, concebido com uma tecnologia WDM coerente de 100 Gbps numa solução de ponta a ponta. Com 4 pares de fibra, oferece uma capacidade total de projecto de 40 Terabytes por segundo entre Luanda e Fortaleza (Brasil).

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »