Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Equador quer julgar ex-Presidente por tentar sequestrar político

O Ministério Público do Equador indicou na terça-feira que quer julgar o ex-Presidente Rafael Correa, atualmente na Bélgica, pelo suposto envolvimento na tentativa de sequestro na Colômbia, em 2012, de um adversário político.

Rafael Correa, que deixou o poder em maio de 2017, incorre no risco de prisão num caso que, contudo, não pode ser julgado à revelia.

Durante uma audiência no Tribunal de Justiça, aberta e suspensa a 18 de setembro, e retomada na terça-feira, o procurador-geral Paul Perez acusou o ex-chefe de Estado (2007-2017) de ordenar o sequestro em Bogotá do antigo deputado Fernando Balda.

Balda, refugiado na Colômbia, dizia-se vítima de perseguição política. O antigo parlamentar foi forçado por várias pessoas a entrar num automóvel, com o objetivo de o trazer à força para o Equador, mas rapidamente foi libertado pela polícia colombiana, que intercetou o veículo.

O carismático, mas controverso Correa, de 55 anos, que vive desde julho de 2017 na Bélgica, de onde é natural a mulher, garantiu ser inocente e classificou todo o caso como “uma farsa”, alegando que o sucessor e ex-aliado, Lenin Moreno, está por trás das acusações.

Vários pessoas reuniram-se na terça-feira diante do tribunal, localizado no norte do Quito, para manifestarem apoio ao ex-chefe de Estado.

O promotor também pediu que sejam julgados dois polícias detidos no Equador, além do ex-chefe dos serviços secretos Pablo Romero, que se encontra em Espanha, descrevendo-os como “autores de crimes de associação ilícita e sequestro de Fernando Balda”.

Em julho, a Justiça equatoriana emitiu um mandado de prisão internacional contra Rafael Correa e Pablo Romero, e remeteu à Interpol um pedido para a extradição de Rafael Correa.

Segundo o advogado de Fernando Balda, Felipe Rodriguez, o antigo chefe de Estado incorre numa pena de até sete anos de prisão. (Notícias ao Minuto)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »