Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Bispos católicos moçambicanos consideram que Governação de Nyusi é assolada por crises

A Conferência Episcopal de Moçambique (CEM) considera que o ciclo de governação do Presidente Filipe Nyusi será recordado como um dos “menos gloriosos” da história do país, apontando como causas a difícil situação política e económica.

A CEM, que junta os bispos da Igreja Católica em Moçambique, assinala que o país foi assolado pela violência militar, entre 2015 e 2017, devido a divergências entre o Governo e a Resistência Nacional Moçambicana (Renamo).

“Não há dúvidas de que, infelizmente, o presente ciclo de governação será recordado como um dos menos gloriosos da nossa democracia”, lê-se na carta.

O conflito entre o Governo e a Renamo e as prolongadas negociações que se seguiram provocaram a paralisação de instituições do Estado.

Ainda no campo da segurança, o Governo tem sido incapaz de conter os ataques armados perpetrados por grupos desconhecidos na província de Cabo Delgado, norte do país.

“Parece não haver uma posição clara e determinante a respeito desta situação”, consideram os bispos católicos moçambicanos.

Na frente económica, o país foi abalado pela descoberta em 2016 de dívidas secretamente avalizadas pelo anterior governo moçambicano e que até agora estão a ter um efeito pernicioso na vida do país.

“A nebulosidade que paira nestes dois setores, o da política e o da economia, tende a exercer progressivamente e de forma galopante uma influência negativa no desenvolvimento do país”, diz a carta da CEM.

Os bispos católicos assinalam que, depois de desenganos e desilusões, muitos moçambicanos ganharam uma aversão a tudo o que é política, considerando-a uma atividade desonesta”.

“A política não pode ser considerada uma arte de enganar, ela é por excelência a arte de bem governar e gerir a sociedade, de modo a alcançar os seus valores essenciais”, lê-se na carta. (Diário de Notícias)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »