Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Maduro poderia ser “rapidamente derrubado” pelo exército venezuelano

O Presidente norte-americano, Donald Trump, afirmou hoje, à margem da Assembleia-Geral da ONU, que o seu homólogo da Venezuela, Nicolás Maduro, poderia ser “rapidamente derrubado” pelo exército venezuelano.

“É um regime que poderia ser rapidamente derrubado pelo exército caso os militares decidissem fazê-lo”, disse o chefe de Estado norte-americano, em declarações aos jornalistas na sede da ONU, em Nova Iorque.

Trump, que hoje interveio no primeiro dia do Debate Geral na 73.ª sessão da Assembleia-Geral da ONU, declarou esta terça-feira que a situação na Venezuela é “um caso triste” que deseja “ver resolvido”.

“O que se passa lá é uma tragédia humana”, referiu Trump, no mesmo dia em que o Departamento do Tesouro norte-americano (equivalente ao Ministério das Finanças) anunciou a aplicação de sanções financeiras contra várias figuras do círculo mais próximo do Presidente Nicolás Maduro, incluindo a própria mulher do chefe de Estado venezuelano (Cilia Adela Flores de Maduro).

Também hoje na sede das Nações Unidas, o vice-Presidente norte-americano, Mike Pence, anunciou que os Estados Unidos vão atribuir uma assistência humanitária adicional superior a 48 milhões de dólares (na ordem dos 40 milhões de euros) para ajudar os venezuelanos afectados pela crise vivida naquele país, divulgou o Departamento de Estado norte-americano, num comunicado.

A Venezuela, país que conta com uma importante comunidade portuguesa, atravessa uma grave crise económica, social e humanitária que já obrigou milhares de pessoas a fugirem daquele território, atravessando as fronteiras em direcção ao Brasil, Colômbia, Equador, Peru ou Chile.

Em Julho passado, a agência noticiosa norte-americana Associated Press (AP) revelou que Donald Trump chegou a questionar, em Agosto de 2017, os seus principais conselheiros se a solução para lidar com a instabilidade política na Venezuela poderia passar por uma eventual invasão militar.

Segundo noticiou então a agência norte-americana, Trump fez a pergunta no fim de uma reunião na Sala Oval (gabinete presidencial na Casa Branca) que tinha sido marcada para discutir sanções contra a Venezuela, país liderado por Nicolás Maduro desde 2013.

“Com a rápida degradação da Venezuela a ameaçar a segurança regional, porque é que os Estados Unidos não podem invadir simplesmente este país conturbado?”, questionou na altura Donald Trump, de acordo com a AP, que citava um alto funcionário da administração norte-americana que tinha tido acesso a esta conversa.

A sugestão de Trump implícita na pergunta surpreendeu os funcionários presentes na reunião, incluindo dois elementos que já não fazem parte da administração norte-americana, o então secretário de Estado, Rex Tillerson, e o então conselheiro de segurança nacional, o general H.R. McMaster.

No dia seguinte à reunião na Sala Oval, a 11 de Agosto de 2017, Trump fazia declarações públicas que apontavam que uma possível acção militar ainda persistia na sua cabeça.

“Temos muitas opções para a Venezuela. Não vou descartar uma opção militar”, afirmou na altura, citado pelos ‘media’ norte-americanos. (Notícias ao Minuto)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »