Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Cooperação Financeira Internacional do Banco Mundial estuda abrir representação em Angola

Sérgio Pimenta explicou que a abertura de um escritório de representação em Angola coincide com a inédita nomeação, também hoje, de um responsável da instituição para toda a África.

O Governo angolano pediu à instituição Cooperação Financeira Internacional (ICF na sigla inglesa) do Grupo Banco Mundial (BM) para abrir um escritório de representação em Luanda, devendo o assunto ficar decidido até novembro, disse hoje fonte oficial.

A indicação foi avançada pelo vice-presidente do ICF para África e Médio Oriente, o economista português Sérgio Pimenta, numa conferência de imprensa na capital angolana, onde se encontra a realizar um “estudo prospetivo” sobre a forma como aquela instituição ligada ao Banco Mundial pode apoiar Angola na diversificação da economia do país.

Sérgio Pimenta explicou que a abertura de um escritório de representação em Angola coincide com a inédita nomeação, também hoje, de um responsável da instituição para toda a África Austral, o queniano Kevin Ndjirai, que irá gerir os dossiês da região a partir de Joanesburgo.

De qualquer forma, acrescentou, o Banco Mundial, com quem a ICF tem mantido uma colaboração regular em mais de 120 países, já tem uma representação em Angola, país que é um dos 184 acionistas daquela instituição.

Segundo o economista português, o pedido foi feito hoje pelas autoridades angolanas em encontros que manteve de manhã, destinados a avaliar como a ICF pode apoiar o desenvolvimento de Angola, através sobretudo do apoio ao setor privado, com o objetivo de diversificar a economia angolana, ainda muito dependente do petróleo.

Sérgio Pimenta indicou, por outro lado, tratar-se da primeira visita que faz a Angola, pelo que a ideia é agora elaborar, em colaboração com as autoridades de Luanda, uma estratégia de apoio ao desenvolvimento e à criação de emprego dando prioridade às áreas da Agricultura e do Agroindústria, “em que há um potencial significativo”.

No seguimento da estratégia ligada à agricultura, acrescentou, está também em estudo a possibilidade de o ICF apoiar o financiamento de logística e transportes, setor que envolve muitos outros subsetores, uma vez que a população tem de conseguir escoar a produção.

No entanto, acrescentou que poderão ser abertas outras portas noutras áreas, como as pescas, mas insistiu que a prioridade é, para já, as atividades ligadas à agricultura, pois Angola tem uma grande população rural.

“É nisso que queremos apostar. Trazer para Angola a nossa experiência de mais de 60 anos”, indicou Sérgio Pimenta, sublinhando ter tido um “diálogo muito positivo” com as autoridades angolanas, com associações empresariais e com a sociedade civil.

Segundo Sérgio Pimenta, em 2017, o ICF investiu 23.000 milhões de dólares em vários projetos em todo o mundo, com a África subsaariana a registar, no mesmo ano, e pela primeira vez, o maior volume, que atingiu os 6,2 mil milhões de dólares.

“Ainda é cedo para falar de números em relação a Angola. Estamos a começar. O nosso ano fiscal começa em junho, pelo que ainda é cedo”, insistiu, manifestando-se, porém, otimista em que Angola poderá obter bons financiamentos do ICF. (Jornal Económico/Lusa)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »