Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Arábia Saudita rejeita qualquer ligação com ataque em desfile no Irão

A Arábia Saudita rejeitou hoje qualquer ligação com o ataque perpetrado no sábado passado, no Irão, durante um desfile militar, qualificando como “lamentáveis” as acusações lançadas por Teerão, informou a agência oficial saudita SPA.

“O reino rejeita completamente as acusações falsas e lamentáveis das autoridades iranianas sobre um apoio do reino aos incidentes que ocorreram no Irão”, referiu a SPA, citando um responsável do Ministério dos Negócios Estrangeiros saudita.

O atentado ocorrido no sábado passado em Ahvaz, na região sudoeste do Irão, fez 24 mortos e cerca de 60 feridos.

Segundo divulgou na altura a agência de notícias iraniana Irna, homens armados e vestidos com uniformes abriram fogo contra a multidão que assistia a um desfile militar em Ahvaz.

Após o ataque, e apesar de não ter identificado um grupo específico, o Irão (xiita) condenou veementemente os acontecimentos e apontou o dedo a vários culpados, incluindo à Arábia Saudita (sunita).

O líder supremo do Irão, o ayatollah Ali Khamenei, declarou na segunda-feira que o atentado tinha sido da responsabilidade “dos mesmos indivíduos que, sempre que estão com dificuldades na Síria e no Iraque, são socorridos pelos norte-americanos, e são financiados pelos sauditas e pelos Emirados Árabes Unidos”.

No domingo, os Emirados Árabes Unidos negaram qualquer ligação com o ataque, acusando Teerão de promover “uma campanha” contra Abu Dhabi.

Logo após o ataque, um responsável dos Guardiões da Revolução, o exército de elite iraniano, acusou membros de um comando de Ahvaz de serem “apoiados pela Arábia Saudita”.

Num comunicado divulgado hoje, antes da reacção da Arábia Saudita, o Ministério dos Serviços de Informação iraniano indicou que os elementos envolvidos no ataque de sábado já tinham sido identificados.

O Governo iraniano afirmou que os elementos tinham ligações “com grupos separatistas ‘takfiris’ apoiados por países árabes reacionários”, numa referência a grupos ‘jihadistas’ ou a radicais islâmicos sunitas.

O grupo ‘jihadista’ Estado Islâmico (EI), bem como outro grupo, reivindicou o atentado.

Teerão mantém relações tensas com várias monarquias árabes do Golfo, reconhecidas como aliadas dos Estados Unidos.

Entre essas monarquias está a Arábia Saudita, o maior rival regional do Irão. Os dois países estão com as relações diplomáticas interrompidas desde Janeiro de 2016. (Notícias ao Minuto)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »