Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Governo do Lesotho apela à continuidade das tropas da SADC

O governo do Reino do Lesotho manifestou o interesse da permanência da missão militar da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) para a reestruturação das Forças de Defesa e Segurança daquele país, informou hoje, sexta-feira, em Luanda, o ministro da Defesa Nacional, Salviano Sequeira.

Em breves declarações à Angop, no Aeroporto Internacional 4 de Fevereiro, Salviano Sequeira disse que “ o governo do Lesotho manifestou o desejo que o prazo da missão militar da SADC no seu país seja prorrogado, outra vez, visto que o período da mesma termina já em Novembro do corrente ano”.

Neste sentido, o ministro adiantou que é um assunto a debater pelos países membros da SADC, mas que independentemente da prorrogação, já não será com o contingente militar angolano a permanecer.

“A partir do dia 20 de Novembro deste ano, no cumprimento da missão, Angola cessa e começa a retirar as suas tropas e meios e ainda que seja atendida a solicitação do Lesotho, a missão de reestruturação, será substituída por outras tropas de um dos países da SADC, mas o país continuará a apoiar o processo de reposição da segurança e estabilidade do reino”, concluiu.

No Lesotho, o ministro da Defesa, em representação do Comandante-Em-Chefe das Forças Armadas Angolanas (FAA), João Lourenço, procedeu a transferência da chefia da Missão de Prevenção da SADC para o Reino do Lesotho (SAPMIL), de Angola para a Zâmbia.

Angola presidiu a Missão de Prevenção da SADC para o Reino do Lesotho e o Comité de Supervisão, no quadro da presidência rotativa do Órgão de Política, Defesa e Segurança da organização regional. O mandato terminou em Agosto último, durante a 38ª Cimeira dos Chefes de Estado e de Governo da comunidade, realizada em Windhoek, Namíbia.

O Reino do Lesotho vive uma prolongada crise política, caracterizada por golpes e tentativas de golpes de Estado, assim como quedas de governos e eleições antecipadas. Registou o assassinato de dois chefes das suas forças armadas, em 2015 e 2017.

Na sequência desses desenvolvimentos, o Governo do Lesotho solicitou a intervenção da SADC que lançou a SAPMIL, em Novembro de 2017, e procedeu ao desdobramento, em Dezembro do mesmo ano, de um contingente de 269 efectivos, entre militares, policias, civis e especialistas de inteligência de sete, dos 16 países membros da organização regional.

Neste contingente, Angola detém o maior número de efectivos militares, com quatro pelotões, seguida da Zâmbia, com um. (Angop)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »