Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Fitch decide manter ‘rating’ de Moçambique em ‘default

A agência de notação financeira Fitch decidiu hoje manter o ‘rating’ de Moçambique em incumprimento financeiro (‘default’) devido à incapacidade do governo para chegar a acordo com os credores ou pagar as prestações da dívida pública.

“A decisão reflecte o falhanço do emissor em resolver o ‘default’ da dívida aos credores comerciais”, escrevem os analistas na nota que explica a decisão, tomada hoje, de manter a avaliação de Moçambique em ‘Incumprimento Selectivo’ (RD – Restricted Default, no original em inglês).

Os analistas da Fitch antecipam que a dívida pública deve subir para 102% do Produto Interno Bruto (PIB) este ano e mostram-se cépticos quando à existência de um acordo com os credores a curto prazo.

“A dívida pública, incluindo garantias, deverá subir para 102% do PIB este ano”, lê-se na nota divulgada esta noite, que argumenta que “esta métrica da dívida inclui a dívida comercial em ‘default’ e a dívida externa garantida” e sublinha que a percentagem de dívida em relação ao PIB é “altamente sensível à volatilidade das taxas de câmbio”, dada a forte percentagem de dívida que Moçambique tem em moeda estrangeira.

“A Fitch não antecipa uma resolução a curto prazo do ‘default'”, já que “mantêm-se importantes divergências entre os detentores da dívida e o governo sobre os termos da reestruturação da dívida, incluindo o tratamento a dar a diferentes classes de credores, isto é, entre os detentores de títulos de dívida soberana e os que emprestaram a empresas com garantia estatal”.

Desde que a Fitch desceu a avaliação da qualidade do crédito soberano para RD, em Novembro de 2016, na sequência da divulgação, em Abril, das primeiras notícias sobre a existência de uma dívida contraída à margem das contas públicas no valor de quase 1,5 mil milhões de dólares, Moçambique já falhou quatro pagamentos do cupão sobre os empréstimos e sobre a emissão de dívida soberana, feita no valor de 727,5 milhões de dólares.

No seguimento dessa quebra de confiança, os doadores internacionais cortaram o financiamento ao governo e Moçambique ficou, na prática, impossibilitado de aceder aos mercados financeiros. (Notícias ao Minuto)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »