Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Justiça são-tomense chumba pedido de impugnação de coligação nas eleições de 07 de outubro

O Tribunal Constitucional são-tomense (TC) considerou hoje “extemporâneo” e, por isso, “indeferiu”, em acórdão, o pedido de impugnação da Ação Democrática Independente (ADI, no poder) contra a candidatura da coligação PCD-MDFM-UDD às eleições legislativas e autárquicas de 07 de outubro próximo.

“A impugnação foi interposta no dia 11 de setembro, ou seja, para além do prazo legal, violando a disposição do artigo 40 da Lei Eleitoral”, indica o acórdão de 18 páginas deste tribunal, assinado pelos cinco juízes do TC.

“Os juízes conselheiros que compõem o plenário deste Tribunal decidiram indeferir a presente impugnação por ser extemporânea”, acrescenta o documento a que a Lusa teve acesso.

Na passada terça-feira, a ADI entregou ao Tribunal Constitucional um pedido de impugnação a candidatura da coligação do Partido da Convergência Democrática (PCD), Movimento Força para a Mudança Democrática (MDFM) e União dos Democratas para Cidadania (UDD) as eleições legislativas e autárquicas de 07 de outubro, por alegada violação a Lei Eleitoral.

A ADI argumentou no documento que a coligação PCD-MDFM-UDD não cumpriu “os requisitos exigidos no âmbito da formalização e da admissibilidade das candidaturas as próximas eleições, segundo as normas eleitorais vigentes”.

No documento, a ADI justifica o pedido de impugnação considerando que “a designação, sigla e símbolo da coligação não estão de acordo com a lei, podendo constituir uma fraude”.

Em causa, segundo a ADI, está o facto de cada um dos partidos manter a sua simbologia eleitoral apesar de concorrerem em colifgação.

Em reação a decisão do partido no poder, a coligação disse que essa impugnação era “extemporânea e fora de contexto”, acusou a ADI de “tentar baralhar as pessoas, criar confusão e fazer um jogo político de baixo nível que nunca aconteceu em São Tomé e Príncipe”, disse ainda Carlos Neves que se assumiu como porta-voz da coligação.

“É a primeira vez que um partido, sentindo-se completamente desnorteado, perdido, vem com esse tipo de atitudes, tentando impedir outros de participar, quer fazer o jogo sozinho”, sublinhou.

A coligação anunciou para esta tarde uma conferencia de imprensa. (Sapo 24)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »