Smiley face

Povoação do Belo Horizonte ganha primeiro centro de saúde

0 27

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Um centro de saúde, com capacidade para internar 24 doentes, entrou em funcionamento hoje, segunda-feira, na povoação do Belo Horizonte, na comuna da Chipipa, a quase 30 quilómetros a norte da capital da província do Huambo.

Trata-se da primeira unidade sanitária na localidade, cujo acto inaugural foi orientado pelo governador em exercício, Leonardo Severino Sapalo, no quadro das comemorações do Dia do Herói Nacional, António Agostinho Neto.

O empreendimento social, que começou a ser erguido em Julho de 2015, mas que não chegou a ser concluído no mesmo ano por limitações financeiras, custou 97 milhões de kwanzas, do programa municipal integrado de desenvolvimento rural e combate à fome e a pobreza.

Na ocasião, o soba do Belo Horizonte, Manuel Bokala, agradeceu a iniciativa da administração do município do Huambo, referindo que a população local era obrigada a percorrer longas distâncias para ter acesso aos serviços de saúde.

A título de exemplo, lembrou, os 8500 habitantes das 22 aldeias desta povoação tinham que se deslocar à vila da comuna, 36 quilómetros ida e volta, e à vila do município do Bailundo, 44 quilómetros entre ir e regressar, para uma consulta ou internamento.

Após o corte de fita, a vice-governadora da província do Huambo para área política, económica e social, Maricel Kapama, disse que esta acção confirma o compromisso do governo em melhorar, paulatinamente, as condições de vida da população.

Afirmou que o centro de saúde tem as condições necessárias para prestar um serviço de qualidade, garantindo, igualmente, que o mesmo conta com um médico.

Já o administrador da comuna da Chipipa, Domingos Bonifácio, pediu os sobas, líderes religiosos e políticos a mobilizarem os aldeões a preservar e conservar o centro de saúde, para que o mesmo sirva as futuras gerações, valorizando, assim, o esforço do governo.

“É uma satisfação muito grande, pois o Belo Horizonte nunca teve uma unidade sanitária. Porém, temos a obrigação de preservar a infra-estrutura, para que ela dure por muito tempo”, disse. (Angop)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Translate »