Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Benguela quer desburocratização na cedência de terrenos

O processo de cedência de terrenos pelos governos provinciais e administrações municipais deve ser desburocratizado , para se evitar a invasão das reservas fundiárias, considerou, hoje, quarta-feira, em Benguela, o arquitecto do Ministério do Urbanismo e Habitação, Rafael António.

O especialista, que falava durante um seminário sobre “Instrumentos do ordenamento do território”, considera que a resposta ao processo de cedência de terreno ao cidadão deve ser célere, no sentido de se evitar os constrangimentos de invasão nas reservas do Estado.

Defendeu ainda a necessidade dos municípios criarem planos directores municipais, por serem documentos reitores que vão permitir a tomada de decisões por parte dos administradores, definir quais as estruturas de ordenamento do território municipal, bem como reflectir na resolução dos problemas que os municípios vivem.

O arquitecto frisou ainda que a maior preocupação do ministério é massificar a elaboração dos instrumentos de ordenamento do território, com maior incidência para os planos directores municipais, bem como procurar, junto dos governos provinciais, aferir os documentos já elaborados, a serem submetidos ao Ministério do Ordenamento do Território e Habitação para sua aprovação e ratificação.

Por seu lado, o vice-governador provincial para a área Técnica e Infra-estruturas, Leopoldo Muhongo, referiu que a iniciativa do Ministério do Urbanismo enquadra-se na perspectiva da superação e elevação das capacidades e competências dos funcionários públicos a vários níveis, assim como no debate da problemática dos instrumentos de gestão do ordenamento do território.

Leopoldo Muhongo acrescentou que os planos directores municipais são os instrumentos principais para gestão e organização de qualquer território, pois encontra-se neles as bases que compõem as matrizes de desenvolvimento social, económico, infra-estrutural, de qualquer administração.

Para o responsável, o Plano Directório Municipal (PDM) é a base para que as administrações possam compreender melhor a gestão do próprio território e que ficam bem definidas nas zonas de crescimento urbano, industriais e dos espaços a serem criados na comunidade.

Salientou que com a capacitação dos técnicos, as administrações municipais passam a ter bases devidamente licenciadas pelo Governo da Província para direccionarem a população do ponto de vista urbano, pelo que se torna necessário padronizar os procedimentos de titularidade dos espaços.

Já a administradora municipal do Cubal, Adelta Matias, considerou que esta acção formativa vai facilitar às administrações conhecer melhor os instrumentos de implementação de projectos para alavancar a urbanização dos municípios.

A formação teve a duração de algumas horas e juntou quadros das áreas técnicas do Governo Provincial e das 10 administrações municipais. (Angop)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »