Portal de Angola
Informação ao minuto

África busca equilíbrio na cooperação com a China

(DR)

A necessidade de se obter uma cooperação com ganhos mútuos constitui o pano de fundo da III Cimeira do Fórum de Cooperação China-África (FOCAC -2018) que decorre a partir de segunda-feira (3) na capital chinesa, a cidade de Beijing.

O fórum deste ano junta mais de 50 dignitários de países africanos com relações diplomáticas com a China.

Para tomar parte no evento, o Presidente da República de Angola, João Lourenço, acompanhado da esposa, Ana Dias Lourenço, encontra-se desde sábado em Beijing.

João Lourenço chefia uma delegação que integra os ministros das Relações Exteriores, Manuel Augusto, das Finanças, Archer Mangueira, entre outros quadros do Estado.

O encontro a decorrer até terça-feira (4) irá adoptar uma declaração de princípios políticos que vai nortear a cooperação China-África e respectivo plano de acção para 2019/2025, que integra sectores como a agricultura, desenvolvimento de infra-estruturas, recursos humanos e transferência de tecnologia.

Ao nível bilateral, o “lobby” de Angola será no sentido de influenciar a continuidade da assistência da China para os projectos já em curso, futuros e a atracção de investimento privado chinês para os diversos sectores que directa ou indirectamente contribuem para o desenvolvimento económico e social do país.

É também interesse de Angola contribuir para a adopção de uma declaração e plano de acção que respondam aos anseios do continente e do país, em particular, tendo em conta as suas prioridades de desenvolvimento.

No geral, fontes diplomáticas dos dois países consideram “bastante positiva” a cooperação entre Angola e a China.

No que diz respeito à parceria inter-Estado, os dois países estabeleceram relações diplomáticas em 1983. Esses laços fortaleceram-se a partir de 2002, altura em que o “gigante” asiático concedeu financiamento a Angola para recuperar, construir estradas, linhas ferroviárias, aeroportos, além de outras infra-estruturas estruturantes.

No primeiro trimestre do ano em curso, as trocas comerciais entre os dois países cresceram 22,4 por cento tendo atingido 6.80 biliões de dólares norte-americanos (USD).

Neste período, a China vendeu a Angola produtos avaliados em 481 milhões de USD e comprou mercadorias avaliadas em 6,32 biliões de dólares.

Em 2017, o comércio entre Angola e a China cresceu 43,42% para 22,34 biliões de dólares norte-americanos, com a China a comprar mercadorias a Angola no valor de 20.047 USD e a ter vendido bens no valor de 2.297 milhões de USD.

Em torno da Cimeira

Entretanto, a grande novidade desta cimeira é a integração no plano de acção de uma componente de desenvolvimento com ganhos recíprocos.

Na V conferência ministerial realizada em Julho de 2012, em Beijing, sob o lema “abrir uma nova perspectiva para uma nova estratégia China-África com base nos êxitos obtidos”, o Governo chinês anunciou a concessão de 20 biliões de dólares para o financiamento de infra-estruturas, projectos ligados à agricultura e pequenas e médias empresas.

Tête-à-tête João Lourenço – Xi Jimping

Refira-se que ainda hoje (domingo) à tarde o Presidente angolano teve um encontro com o seu homólogo chinês Xi Jimping.

Neste tête-à-tête, o Chefe de Estado angolano terá reafirmado a vontade de manter e fortalecer as relações de amizade e cooperação entre os dois países, que já duram 35 anos.

A cimeira China-África, que acontece pela segunda vez em solo chinês, depois de 2006, é uma plataforma de consultas e diálogo colectivo, cujo objectivo é o fortalecimento das relações de amizade.

A intensificação e promoção da cooperação entre o “gigante” asiático e os países do continente-berço fazem também do foco do fórum.

A primeira edição do FOCAC realizou-se em Beijing, em 2006, e a segunda na África do Sul, em 2015.

O continente africano é um parceiro estratégico da China, tendo o comércio entre as partes totalizado, em 2014, 200 biliões de dólares.

A China é receptora de 28 por cento das exportações de petróleo proveniente de África.

Participarão também no encontro, que se realiza no Palácio do Povo (Beijing), o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, o presidente da União Africana (UA), Paul Kagame, a presidente da Comissão da UA, Moussa Faki Mahamat, entre outras entidades convidadas. (Angop)

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »