Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Jacinto Tchipa quer maior valorização dos criadores angolanos

Autor de temas como “África”, “Maié Maié”, “Kumbi Lianda”, “Sissi Ola”, “Cartinha da Saudade” e “Tchivale Tchivale”, Jacinto Tchipa é uma das referências incontornáveis da música angolana.

Emocionado ao recordar o passado e perspectivando as coisas, o artista aponta alguns caminhos que podem contribuir para a maior valorização da música e dos cantores nacionais.

Em entrevista à Angop, o também ex-deputado considera necessário que sejam reconhecidos os fazedores da arte que deram contributo cultural nos últimos 40 anos e que informem à nova geração sobre os esforços feitos para o alcance da liberdade.

Angop: Jacinto Tchipa está um pouco desaparecido dos palcos. A que se deve?

Jacinto Tchipa (JT) – Após a independência, os artistas passaram a depender do Ministério da Cultura, que planificava toda a actividade cultural que surgia. Depois da mudança do sistema político, passámos a depender de empresários e de agências do género. Porém, hoje os espectáculos já não são constantes, tendo em conta também a realidade financeira do país. Estou a falar de grandes músicos que tiveram muito sucesso, nomeadamente Elias Dya Kimuezo, António Paulino, entre outros nomes de referência do mercado nacional.

Infelizmente, a situação atingiu toda a sociedade, e o mercado afecta a todos. Para se fazer alguma coisa, é necessário dinheiro, e eu não o tenho para me promover, razão pela qual estou, digamos, meio desaparecido dos palcos. Contudo, isso não quer dizer que nada esteja a fazer, pois tenho alguns projectos que poderão, muito brevemente, ser colocados ao dispor dos amantes da música angolana.

Angop: Disse que está a preparar alguma coisa. Presume-se que se trata de uma nova obra. Para quando?

JT: Já estou a gravar um disco há aproximadamente cinco anos, comecei por fazê-lo em Luanda. Ainda não concluí os trabalhos por falta de financiamento e, no país, para gravarmos, precisamos de 150 mil dólares, no mínimo, e os acabamentos são feitos no exterior. O produto é terminado no Brasil, em Portugal e na África do Sul. O Ministério da Cultura não financia, e têm sido os empresários a facilitar, com destaque para Bento Kangamba, que tem ajudado muitos músicos, principalmente a juventude.

Angop: Em virtude da actual situação, de que forma pode ou está a contribuir para a afirmação e crescimento da cultura angolana?

JT: Sinto-me um polivalente (…). A música é o meu trabalho. Toda a mocidade foi através dela, mas até hoje nada vejo. Neste momento, estou a trabalhar no sector agrícola, na produção de banana, na província do Cuanza Norte, a fim de daí tirar alguma coisa para custear as despesas que tenho com esta arte.

Angop: Tem alguma convicção de que ainda pode fazer algo pela cultura?

JT: Sim. Continuo a compor, infelizmente não tenho dinheiro para gravar o que já tenho na manga. Falta apenas gravação de quatro músicas para fechar um LP. Tenho solicitado apoios, mas, infelizmente, só têm sido promessas, nada de concreto que venha a abrir uma “luz no fundo do túnel” para a conclusão da obra.

Vivemos somente da música, mas não temos actividade todos os dias. Noutros países, os artistas não param, uma realidade bem diferente da nossa, pois conseguem ganhar a vida só desta arte, cantando em bares e em casas nocturnas ou de lazer e cultura.

Se o mesmo acontecesse cá, estaríamos todos a trabalhar para o engrandecimento da cultura. Falta uma legislação, para que, em todo e qualquer sítio público onde haja festa e entretenimento, o músico possa estar para ganhar o seu pão e fazer as suas economias.

Angop: Como é cantar para as tropas na qualidade de militar?

JT: Comecei por cantar numa fase muito difícil para o país, em que todo o artista era também militar. Em 1974, enquadrei-me nas FAPLA, era um dever obrigatório. E, como sempre gostei de cantar, animava as tropas na frente de combate. Não era só pegar na arma e disparar, pois havia também momentos de lazer. Cantava e fazia teatro e carrego comigo muitas lembranças desse tempo.

Angop: Quantos anos de tropa e de música?

JT: Enquadrei-me nas FAPLA a 2 de Março de 1974 e continuo no activo. Mas um ano antes de entrar já cantava, daí o casamento da música e a tropa. A gravação do primeiro disco foi em 1976, na Valentim de Carvalho, um disco que fez muito sucesso. Lembro-me de que, em 15 dias, a instituição já não tinha mais discos para a venda. Olha que fui bem pago! Foram 15 mil dólares e, deste valor, comprei o meu primeiro carro.

Angop: Na época, tinha como um dos propósitos levantar o moral das tropas. Será que a mensagem passava?

JT: A mensagem passava. Tinha as tropas como grandes adeptos e que me fizeram ganhar dois “Top dos Mais Queridos”.

Angop: Fica a sensação de que deveria trabalhar mais com a nova geração?

JT: Com a nova geração tenho grande cooperação. Quando solicitam os meus préstimos, estou sempre ao dispor e de braços abertos e vice-versa. Temos de dar o devido apoio aos jovens e passar o legado, para que possam continuar. Tenho uma música gravada com Big Nelo, uma experiência muito enriquecedora para mim, uma vez que me ajudou a dar o meu contributo, em termos de ideias e acção, a um trabalho de um cantor que tem sido uma grande referência no mercado musical angolano.

Angop: Teve uma incursão na política, 16 anos como deputado à Assembleia Nacional pelo grupo parlamentar do MPLA. A experiência foi boa?

JT: É verdade! A experiência foi boa e muito positiva. Na Assembleia Nacional, defendíamos todos os problemas da Nação, não só da cultura, mas no geral. Culturalmente, dei o meu contributo sobre propostas ligadas a esta área, entre as quais a fundação de um Museu da Música. Infelizmente, não passou, porém seria bom se tivesse sido aceite, porque a ideia era a criação de um espaço dedicado à música e aos seus criadores.

Angop: Como concilia a vida artística e a militar?

JT: Não é fácil. A música nunca foi um bicho-de-sete-cabeças. Sei separar os momentos. Fui privilegiado, nalgumas vezes, para representar o país no estrangeiro, e isto nunca interferiu na minha carreira militar.

Angop: Que análise faz da música angolana?

JT: Tem registado grande evolução, quer melódica, quer de mensagens ou ritmo. A nova geração tem contribuído bastante para o sucesso que se regista. Não podemos ficar atrás. O mundo está em constante mudança. Temos grandes talentos e, a cada dia, temos de agradecer à força da juventude que tem trabalhado em prol da melhoria, aceitação e divulgação da música angolana. São ganhos que não devem ser menosprezados.

Angop: Teve problemas nas cordas vocais, já os superou?

JT: Tive muitos problemas de saúde, fiquei afónico, mas operaram-me com sucesso numa das clínicas de Luanda e estou bem. No entanto, lembro-me de que, num dos espectáculos na província do Namibe, não consegui cantar. Felizmente, está ultrapassado e encontro-me em condições de continuar a dar o meu contributo para a promoção, valorização e divulgação da cultura angolana, em geral, e da música, em particular.

Angop: Como enquadra a família na sua vida profissional?

JT: A família é indispensável. A força que recebo é incalculável. Não há valores que paguem nem gesto para retribuir o carinho e o respeito que me são dados. Não fosse o apoio familiar, não sei onde poderia chegar, quer em termos profissionais como familiar.

Angop: Numa altura desta, que conselho dá aos artistas angolanos?

JT: Devemos continuar a lutar para o bem da cultura, que não se deve desistir até que consigamos vencer todas as barreiras, para o engrandecimento da nossa cultura diante de tantas dificuldades. Temos de lutar, a fim de que tenhamos uma vida igualada aos artistas do resto do mundo.

Angop: Com quem, nesta altura, desejaria partilhar o palco?

JT: Muito sinceramente com Yola Semedo, Pérola, Anselmo Ralph e Eduardo Paim.

JACINTO TCHIPA

Jacinto Tchipa notabilizou-se no mercado nacional durante a década de 80, quando foi vencedor, duas vezes consecutivas (1986 e 1987), do concurso “Top dos Mais Queridos”, organizado pela Rádio Nacional de Angola (RNA).

O músico nasceu em 1958, na Caála, província do Huambo, e começou a sua carreira artística em 1973, quando gravou o primeiro disco de vinil “África”. Temas como “Maié Maié”, “Kumbi Lianda”, “Sissi Ola” e “Tchivale Tchivale” constam do repertório do artista.

Lançou três discos em vinil na década de 80, intitulados “A Cartinha do Soldado”, “Sissi Ola” e “Reconstrução Nacional”, já nos anos 90 “Os Meus Sucessos” e “África”. (Angop)

por Claudete Ferreira

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »