Portal de Angola
Informação ao minuto

Falta de regulamentação deve atrasar nova lei de repatriamento de capitais

Notas de cem dólares (DR)

Há matérias que precisam de ser definidas, como em que projectos de desenvolvimento económico e social direccionados pelo Estado, em condições a definir pelo Presidente, é que o dinheiro deverá ser investido.

A Lei de Repatriamento dos Recursos Financeiros Domiciliados no Exterior, promulgada em Diário da República (DR) a 26 de Junho, pode encontrar na inexistência de um diploma regulamentar uma ameaça à sua aplicação, advertem juristas consultados pelo Expansão.

A Lei, reflexo de uma promessa eleitoral de João Lourenço, que durante a campanha eleitoral anunciou que o seu Governo trabalharia no repatriamento de capitais ilícitos de angolanos no estrangeiro, pode esbarrar na falta de regulamentação, uma vez que, segundo o jurista Bangula Quemba, há determinadas matérias que precisam de ser definidas para a sua concretização.

“Como é que, por exemplo, se vai aplicar o artigo 9, que diz que os recursos repatriados de forma voluntária têm como destino os projectos de fomento económico e social a serem definidos pelo Titular do Poder Executivo””?, questiona Bangula Quemba, acrescentando que “sem a definição destes projectos, está mais do que claro de que a falta de regulamentação pode dificultar esta lei”. (Expansão)

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »