Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

PR moçambicano anuncia criação de grupos de trabalho para desarmamento da Renamo

O Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, anunciou quarta-feira a entrada em funcionamento da comissão de assuntos militares e de grupos de trabalho que vão dirigir a desmobilização, desarmamento e reintegração (DDR) da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), principal partido da oposição.

“Estes grupos de trabalho vão concorrer para o sucesso do processo [de paz], que interessa a todos”, declarou Filipe Nyusi, citado hoje pelo jornal Notícias.

Para a DDR, além da comissão de assuntos militares, entraram em operação na quarta-feira o Grupo Técnico Conjunto para o Enquadramento nas Forças de Defesa e Segurança, Grupo Técnico Conjunto para a DDR, Equipa de Monitoria e Verificação e o Grupo Internacional de Contacto.

Cada um dos grupos será constituído por representantes do Governo e da Renamo.

Na quarta-feira, o Presidente moçambicano promoveu três oficiais militares indicados pela Renamo no âmbito dos consensos para a paz no país, anunciou a Presidência da República.

Filipe Nyusi promoveu os coronéis Xavier António e Araújo Anderiro Maciacona ao posto de brigadeiro e o capitão-de-mar-e-guerra Inácio Luís Vaz ao posto de comodoro.

O Presidente moçambicano anunciou no passado dia 06 a assinatura de um memorando de entendimento entre o Governo e a Renamo sobre a desmilitarização e a integração das forças do principal partido da oposição.

O atual processo negocial entre o Governo moçambicano e a Renamo arrancou há um ano, quando Filipe Nyusi se deslocou à Gorongosa, centro de Moçambique, para uma reunião com falecido líder da Renamo no dia 06 de agosto do ano passado.

Além do desarmamento e integração dos homens do braço armado do maior partido de oposição nas forças armadas, a agenda negocial entre as duas partes envolvia também a descentralização do poder, ponto que já foi ultrapassado com a uma revisão da Constituição em julho. (Diário de Notícias)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »