Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Acabou o amor. Cofundadores do Tinder apresentam ação em tribunal contra atuais proprietários da plataforma

Os cofundadores e administradores do Tinder apresentaram um processo contra os atuais proprietários da popular aplicação de relacionamentos, a quem acusam de ter manipulado informações financeiras para privá-los de milhares de milhões de dólares em rendimentos. Em tribunal pedem agora uma compensação de pelo menos dois mil milhões de dólares.

O Match.com comprou o Tinder em 2013 e foi adquirido, por sua vez, pelo InterActive Corp (IAC), grupo que pertence ao bilionário norte-americano Barry Diller, dois anos depois.

Neste processo, apresentado esta terça-feira, 14 de agosto, num tribunal de Nova Iorque, uma dezena de pessoas acusaram o IAC e o Match de entrarem em acordo para enganá-las. O grupo inclui os fundadores do Tinder, Sean Rad, Jonathan Badeen e Justin Mateen.

O plano “consistia em subtrair milhares de milhões de dólares dos queixosos, violando os seus direitos contratuais”, segundo a ação.

Para levar o seu plano avante, diz o texto, o IAC e o Match subvalorizaram “voluntariamente” o Tinder utilizando informações falsas com o objetivo de reduzir o valor das suas ações.

O IAC e o Match criaram “projeções financeiras falsas, inflacionaram os custos e criaram um universo no qual o Tinder fica estagnado”, denunciam.

IAC e Match teriam ignorado nesta avaliação, sobretudo, os efeitos financeiros de novos produtos.

Ao designar Greg Blatt, presidente do Match, como diretor interino do Tinder em dezembro de 2016, o IAC e a sua filial procuraram “controlar a valorização do Tinder”, justamente quando deveriam determinar o valor das ações concedidas aos funcionários, dizem os autores da ação em tribunal.

Os queixosos asseguram que Blatt é “o lacaio de Barry Diller” e “é conhecido por ter um temperamento explosivo e de não hesitar em recorrer a ameaças como demitir os funcionários que ousam contradizê-lo”.

Os queixosos exigem “pelo menos” dois mil milhões de dólares em danos e rendimentos.

Além dos três cofundadores, os outros autores da ação fazem parte da primeira equipa de funcionários do Tinder, que após a sua criação em 2012 revolucionou os encontros amorosos.

No âmbito desta ação, Greg Blatt é também acusado de assédio sexual contra a diretora de Comunicação e Marketing, Rosette Pambakian. Pambakian, uma das queixosas, assegura que Blatt apalpou-a sem o seu consentimento na festa de final de ano da empresa em 2016, em Los Angeles.

Em comunicado enviado ao site de tecnologia Tech Crunch, o Match.com e o InterActive Corp (IAC) defendem que o Tinder foi alvo de uma “avaliação rigorosa”, pelo que não reconhecem mérito nesta ação, que, aliás, pretendem combater vigorosamente em tribunal. (Sapo 24)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »