Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

EUA acusa Caracas de ter detido ilegalmente o deputado Juan Requesens

(© Reuters)

O Departamento de Estado dos EUA acusou hoje Nicolás Maduro e as forças de segurança venezuelanas de terem detido ilegalmente o deputado Juan Requesens, que o Chefe de Estado diz estar envolvido no falhado atentado de 4 de Agosto.

“(Nicolás) Maduro e a sua polícia secreta continuam a ignorar o estado de Direito, com a detenção ilegal de um membro da Assembleia Nacional (parlamento), constitucionalmente eleito, Juan Requesens”, refere uma mensagem publicada na conta oficial do Departamento de Estado em castelhano.

Segundo o Departamento de Estado, a detenção, que teve lugar a 7 de Agosto último, é “o último exemplo, numa larga ladainha de abusos de Direitos Humanos” na Venezuela.

A família de Juan Requesens emitiu domingo um comunicado explicando que falou telefonicamente com o deputado, pela primeira vez desde que foi detido, de quem desconhecia e não podia “dar fé das condições físicas e psicológicas”, uma vez que “o regime o mantém sequestrado”.

“Parece-nos estranho que após mais de 120 horas desde o seu sequestro pelo Serviço Bolivariano de Inteligência (SEBIN – serviços secretos) nos neguem qualquer possibilidade de vê-lo, de constatar o seu estado físico e para que os advogados possam conversar com ele”, explicam os familiares.

Em 4 de Agosto, duas explosões que as autoridades dizem terem sido provocadas por dois drones obrigaram o Presidente da Venezuela a abandonar rapidamente uma cerimónia de celebração do 81.º aniversário da Guarda Nacional Bolivariana (polícia militar).

O Governo venezuelano acusou a oposição de estar envolvida no alegado atentado, em conjunto com opositores radicados no estrangeiro, em Miami e na Colômbia.

Três dias depois, a oposição denunciou que o deputado Juan Requesens foi espancado e detido por funcionários do SEBIN.

Horas depois o regime divulgou um vídeo em que o parlamentar vinculava, alegadamente, o ex-presidente do parlamento, Júlio Borges, com os autores do atentado.

A oposição acusou o regime de submeter Juan Requesens a “tortura e maus-tratos cruéis” e divulgou um outro vídeo em que o deputado aparece em roupa interior, sujo e num estado de consciência alterada “difícil de explicar numa pessoa que está sob vigilância extrema”.

O Presidente Nicolás Maduro reagiu ao vídeo divulgado pela oposição e explicou, através da televisão estatal, que Juan Requesens “ficou muito nervoso quando foi capturado e teve que ser atendido por médicos do SEBIN”. (Notícias ao Minuto)

por Lusa

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »