Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Terceira força política moçambicana exige publicação do memorando

Para o presidente do Movimento Democrático de Moçambique a publicação do memorando pode devolver a confiança aos empresários que tinham medo de investir devido à crise política e militar no país.

O presidente do Movimento Democrático de Moçambique, terceira força política moçambicana no parlamento, exigiu esta terça-feira que o memorando de entendimento assinado entre o Governo e a Renamo sobre a desmilitarização seja divulgado.

Nós queremos encorajar as partes para tornarem este documento público porque os moçambicanos devem se apropriar deste processo”, declarou Daviz Simango, falando à imprensa num evento público na Beira, centro de Moçambique.

Para Simango, a disponibilização do documento assinado entre o chefe de Estado moçambicano, Filipe Nyusi, e o coordenador interino da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), Ossufo Momade, pode devolver a confiança aos empresários que tinham medo de investir devido à crise política e militar no país.

Para que haja mudança deve haver confiança e para que haja confiança é necessário que este documento seja divulgado”, observou o presidente do MDM, felicitando, no entanto, as partes por terem chegado a estes consensos.

Na segunda-feira, o Presidente moçambicano anunciou a assinatura de um memorando de entendimento entre o Governo e a Renamo sobre a desmilitarização e a integração das forças do principal partido de oposição.

Na sua declaração à nação, o Presidente moçambicano disse que dentro de dias serão anunciados os passos seguintes no processo, mas sem avançar detalhes sobre o conteúdo do documento.

O actual processo negocial entre o Governo moçambicano e a Renamo arrancou há um ano, quando Filipe Nyusi se deslocou à Gorongosa, no centro de Moçambique, para uma reunião com o então líder da Renamo, Afonso Dhlakama, no dia 06 de Agosto do ano passado, num encontro que ficou marcado por um aperto de mãos.

Além do desarmamento e integração dos homens do braço armado do maior partido de oposição nas forças armadas e na polícia, a agenda negocial entre as duas partes envolvia também a descentralização do poder, ponto que já foi ultrapassado com uma revisão da Constituição em Julho.

Moçambique assistiu, entre 2015 e 2016, uma escalada nos conflitos militares entre as forças governamentais e o braço armado da Renamo, que não aceita os resultados eleitorais de 2014, acusando a Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), partido no poder, de fraude. (Observador)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »