- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Lusófono Brasil Projeto Truco vai checar falas de candidatos ao governo de sete estados

Projeto Truco vai checar falas de candidatos ao governo de sete estados

Além de equipes locais em São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Paraná, Pernambuco, Ceará e Pará, projeto de fact-checking também vai verificar falas dos presidenciáveis

O Truco, projeto de checagem da Agência Pública, está se preparando para cobrir as eleições de 2018 em sete estados, além da corrida presidencial. A Pública vai checar os candidatos ao governo de  São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Paraná, Pernambuco, Ceará e Pará, além dos candidatos à presidência.

As equipes que farão a cobertura nos estados de São Paulo e Minas Gerais serão coordenadas por repórteres da própria Agência Pública. No Ceará, a cobertura será feita por uma equipe comandada pela jornalista Thays Lavor. No Rio Grande do Sul, a Pública terá como parceiro o Filtro, organização local de fact-checking. Em Pernambuco e no Pará, as checagens serão produzidas pela Marco Zero Conteúdo e Outros 400, respectivamente. No Paraná, a cobertura será feita pelo Livre.jor.

As checagens dos presidenciáveis serão feitas pela redação da Agência Pública, em São Paulo, que será também a sede da coordenação geral do projeto.  Ao todo, a cobertura vai contar com 30 pessoas checando falas de políticos e boatos.

As checagens dos candidatos a governador e presidente serão publicadas a partir do dia 13 de agosto no site da Agência Pública. O Truco também passa a ter redes sociais próprias,  https://www.facebook.com/projetotruco/ e @truco no Twitter.

Selos revisados

Desde 2017 o Truco é certificado pela International Fact Checking Network, rede organizada pelo Instituto Poynter, dos Estados Unidos, que reúne os principais sites de fact-checking do mundo. O projeto segue o código de princípios da IFCN, assumindo o compromisso de ser apartidário, transparente e de seguir uma política de correções.

Por isso, o Truco segue e mantém pública em sua página a metodologia que é seguida na produção de todas as checagens. Para tornar o projeto ainda melhor para as eleições a Agência Pública anunciou algumas mudanças no Truco. A partir de agora, o projeto conta com mais dois editores para fortalecer o processo de escolha das frases, de edição e revisão das checagens.

Além disso, a classificação das checagens foi reformulada: o selo “Distorcido” deixa de ser utilizado por dar margem à interpretação. Também deixa de existir o selo “Contraditório”, por extrapolar a declaração que está sendo analisada. O Truco passa a adotar o selo “Subestimado” para os casos em que há uma diferença – para menos – entre o dito e o fato. Todos os selos ganharam novas descrições, para deixar os critérios mais claros. Leia aqui a nota da Agência Pública e a definição de todas as classificações.

Para produzir as checagens, o primeiro passo da equipe do Truco é selecionar uma frase que possa ser verificada. Para isso, é preciso que contenha um dado, faça referência a leis, permissões, proibições, situações verificáveis ou traga afirmações categóricas. Dentre as declarações que podem ser analisadas, são escolhidas aquelas que têm relevância para o debate público. O Truco faz um rodízio entre as personalidades e autoridades verificadas, para manter o equilíbrio da cobertura e garantir que todos sejam fiscalizados.

Em todas as checagens, a equipe entra em contato com o autor da frase e pede para que forneça a fonte da informação. Paralelamente, são procuradas outras fontes, oficiais ou não e especialistas. A apuração é comparada com os dados fornecidos e, com isso, a informação é classificada. Um selo que mostra o resultado da checagem é atribuído à afirmação. Por fim, o Truco volta a entrar em contato com o autor da frase e dá uma última chance para que se explique, diante da conclusão.

Terceira eleição

Esta é a terceira eleição que será coberta pelo Truco, que foi lançado em 2014, cobrindo a corrida presidencial daquele ano. Nas eleições municipais de 2016, o projeto cresceu e candidatos às prefeituras de cinco capitais brasileiras tiveram seus discursos verificados. A Pública trabalhou com equipes próprias em São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte e fez parceria com o Outros 400 em Belém e com a Marco Zero Conteúdo em Recife.

Sobre a Agência Pública: A Agência Pública foi fundada em 2011 e tem como missão  produzir reportagens de fôlego pautadas pelo interesse público, sobre as grandes questões do país do ponto de vista da população – visando o fortalecimento do direito à informação, à qualificação do debate democrático e a promoção dos direitos humanos. Todas as reportagens podem ser livremente reproduzidas por uma rede de mais de 70 veículos, sob licença creative commons. A Pública também atua para promover o jornalismo investigativo independente através de programas de mentoria para jovens jornalistas, bolsas de reportagem e incubação de projetos de jornalismo independente. Em 2017 a Agência Pública foi vencedora dos prêmios Vladimir Herzog e Prêmio República e duas vezes finalista do Prêmio Gabriel García Marquez. Em 2016, foi o terceiro veículo mais premiado do país, e o primeiro veículo brasileiro indicado ao Prêmio Liberdade de Imprensa, da organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF). https://apublica.org/ (Agência Publica)

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.