- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Lusófono Brasil "O português nem pisava África, os negros é que entregavam os escravos"

“O português nem pisava África, os negros é que entregavam os escravos”

Jair Bolsonaro, o principal candidato às presidenciais brasileiras depois de Lula da Silva, que se encontra detido, foi entrevistado num programa brasileiro, onde retirou responsabilidade aos colonizadores pelo tráfico de escravos, questionou a existência da dívida da escravatura no Brasil e até propôs uma diminuição da percentagem das quotas raciais.

O deputado federal brasileiro Jair Bolsonaro fez uma torrente de declarações polémicas numa entrevista ao conhecido programa ‘Roda Vida’, da TV Cultura. O candidato presidencial de 63 anos, associado à extrema-direita, pela sua posição em assuntos como o racismo ou o conceito de família, ‘tocou num nervo’ ao responder a uma pergunta sobre a dívida da escravatura no Brasil.

“Que dívida é essa? Eu nunca escravizei ninguém na minha vida”, começou por dizer. “Se for ver a história, realmente, o português nem pisava África, os próprios negros é que entregavam os escravos”, afirmou o candidato do Partido Social Liberal (PSL), sendo recebido com incredulidade pelo painel de convidados (pode ver abaixo no minuto 27:00).

O moderador, Ricardo Lessa, explica que os colonizadores, portugueses e ingleses, conforme foi lembrado, pagavam para estimular este tráfico humano, que concluiu, segundo historiadores, com a saída forçada de 12 milhões de africanos.

“Faziam o tráfico mas não caçavam os negros… Eram entregues pelos próprios negros”, insistiu o candidato, parecendo retirar responsabilidade ao colonialismo na questão do racismo e da escravatura.

Já anteriormente, quando instado a falar sobre a questão das quotas para negros e para pobres, Bolsonaro havia manifestado a sua oposição a esta medida. Agora voltou a pegar no assunto: “Somos misturados no Brasil, o negro não é melhor do que eu e eu não sou melhor do que o negro, na academia militar vários negros se formaram comigo, alguns abaixo de mim e outros acima de mim, para quê quotas?”

Bolsonaro referiu que não tem poder para acabar com o sistema de quotas mas admitiu propor uma redução do seu impacto: “Vou propor, pelo menos, quem sabe, a redução da percentagem”.

Este foi um dos tópicos da entrevista que mais celeuma causou, assim como a contínua defesa do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra (minuto 4:08), condenado em 2008 pela prática de tortura militar. Ressalvando que esta condenação não transitou em julgado, Bolsonaro colocou em causa “a maior parte” dos relatos de tortura durante a ditadura militar.

“Esses que se diziam torturados, o faziam para conseguir indemnizações, votos, piedade, poder. Só se ouve um lado da história, outro não. Se tivéssemos perdido, hoje o Brasil seria uma Cuba”, afirmou.

Jair Bolsonaro, referido por alguma imprensa como o “Trump brasileiro”, é a segunda candidatura mais bem cotada nas sondagens às eleições presidenciais no Brasil, marcadas para o mês de Outubro. O primeiro é Lula da Silva, que se encontra detido. (Notícias ao Minuto)

por Anabela de Sousa Dantas

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.