Portal de Angola
Informação ao minuto

“O português nem pisava África, os negros é que entregavam os escravos”

(© Reuters)

Jair Bolsonaro, o principal candidato às presidenciais brasileiras depois de Lula da Silva, que se encontra detido, foi entrevistado num programa brasileiro, onde retirou responsabilidade aos colonizadores pelo tráfico de escravos, questionou a existência da dívida da escravatura no Brasil e até propôs uma diminuição da percentagem das quotas raciais.

O deputado federal brasileiro Jair Bolsonaro fez uma torrente de declarações polémicas numa entrevista ao conhecido programa ‘Roda Vida’, da TV Cultura. O candidato presidencial de 63 anos, associado à extrema-direita, pela sua posição em assuntos como o racismo ou o conceito de família, ‘tocou num nervo’ ao responder a uma pergunta sobre a dívida da escravatura no Brasil.

“Que dívida é essa? Eu nunca escravizei ninguém na minha vida”, começou por dizer. “Se for ver a história, realmente, o português nem pisava África, os próprios negros é que entregavam os escravos”, afirmou o candidato do Partido Social Liberal (PSL), sendo recebido com incredulidade pelo painel de convidados (pode ver abaixo no minuto 27:00).

O moderador, Ricardo Lessa, explica que os colonizadores, portugueses e ingleses, conforme foi lembrado, pagavam para estimular este tráfico humano, que concluiu, segundo historiadores, com a saída forçada de 12 milhões de africanos.

“Faziam o tráfico mas não caçavam os negros… Eram entregues pelos próprios negros”, insistiu o candidato, parecendo retirar responsabilidade ao colonialismo na questão do racismo e da escravatura.

Já anteriormente, quando instado a falar sobre a questão das quotas para negros e para pobres, Bolsonaro havia manifestado a sua oposição a esta medida. Agora voltou a pegar no assunto: “Somos misturados no Brasil, o negro não é melhor do que eu e eu não sou melhor do que o negro, na academia militar vários negros se formaram comigo, alguns abaixo de mim e outros acima de mim, para quê quotas?”

Bolsonaro referiu que não tem poder para acabar com o sistema de quotas mas admitiu propor uma redução do seu impacto: “Vou propor, pelo menos, quem sabe, a redução da percentagem”.

Este foi um dos tópicos da entrevista que mais celeuma causou, assim como a contínua defesa do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra (minuto 4:08), condenado em 2008 pela prática de tortura militar. Ressalvando que esta condenação não transitou em julgado, Bolsonaro colocou em causa “a maior parte” dos relatos de tortura durante a ditadura militar.

“Esses que se diziam torturados, o faziam para conseguir indemnizações, votos, piedade, poder. Só se ouve um lado da história, outro não. Se tivéssemos perdido, hoje o Brasil seria uma Cuba”, afirmou.

Jair Bolsonaro, referido por alguma imprensa como o “Trump brasileiro”, é a segunda candidatura mais bem cotada nas sondagens às eleições presidenciais no Brasil, marcadas para o mês de Outubro. O primeiro é Lula da Silva, que se encontra detido. (Notícias ao Minuto)

por Anabela de Sousa Dantas

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »