Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Crescimento económico em São Tomé pode chegar a 5% a médio prazo, prevê FMI

O Fundo Monetário Internacional (FMI) estima que o crescimento económico em São Tomé e Príncipe seja de 4% em 2018, mas pode, a médio prazo, chegar a 5% devido a novos projetos com financiamento externo.

A perspetiva macroeconómica é positiva. Espera-se um crescimento de 4% em 2018 e que acelere até aos 5% a médio prazo com o começo de novos projetos de financiamento externo – incluindo uma expansão aeroportuária, construção de estradas e a restauração e reabilitação do sistema elétrico”, lê-se no comunicado realizado ao abrigo do Artigo IV (dos estatutos do fundo).

Quanto à inflação, espera-se que esta desça dos 7,7%, valor alcançado no final de 2017 devido “às condições atmosféricas adversas e o aumento das taxas de importação em certos bens”, para os 6% no final do ano.

“Esta perspetiva está dependente da disciplina fiscal continuada e das reformas estruturais para aumentar a receita tributária, reduzir os riscos fiscais da EMAE [Empresa de Água e Electricidade] e a gradual redução da carga fiscal”, refere o relatório, advertindo que “os riscos incluem derrapagens fiscais com as eleições legislativas deste ano, a demora na resolução dos bancos e a continuação de altos níveis de inadimplência”.

O comunicado do FMI salienta ainda que “a implementação mais rápida de grandes projetos de financiamento externo pode estimular o crescimento” da economia nacional.

O mesmo documento afirma que as autoridades continuam comprometidas em cumprir o programa de reforma económica ao abrigo da facilidade de Crédito Alargado (ECF) para a sustentabilidade fiscal e fomentar o crescimento liderado pelo setor privado e inclusivo.

São Tomé e Prinícipe está ainda “empenhado” em melhorar a captação de receitas, essencialmente em grandes contribuintes, introduzindo um imposto sobre o valor acrecentado em 2019.

Para equilibrar a necessidade de investimento enquanto reduz o peso da dívida, as autoridades “apenas irão pedir empréstimos em condições favoráveis e de forma controlada.

Na avaliação final, o FMI recebeu com agrado o progresso na consolidação fiscal e as reformas estruturais, mas assinalaram que o desempenho do programa tem sido “desequilibrado e que os riscos se mantêm”.

O FMI enfatizou a importância da reforma de empresas do Estado, como a EMAE, que permite “não apenas reduzir os riscos fiscais, como também fortalecer a posição externa face às importação de produtos petrolíferos”. A organização louvou ainda a adoção de uma estratégia de desenvolvimento turístico, que vai permitir um “crescimento inclusivo”. (Observador)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »