- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo América Latina Antes rico em petróleo, maior Estado da Venezuela hoje sofre com blecautes

Antes rico em petróleo, maior Estado da Venezuela hoje sofre com blecautes

Em toda Maracaibo, capital do maior Estado da Venezuela, moradores desligam geladeiras para se precaver dos picos de energia, muitos só compram alimentos que consumirão no mesmo dia e outros dormem ao relento com frequência por causa do calor insuportável dentro de casas sem ar condicionado.

Os blecautes constantes no Estado de Zulia aumentam o sofrimento dos venezuelanos que atravessam o quinto ano de uma crise económica que vem provocando desnutrição, hiperinflação e emigração em massa.

A economia antes florescente do país-membro da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) vem desmoronando desde a queda nos preços do petróleo no mercado internacional em 2014.

“Nunca imaginei que teria que passar por isso”, disse Cindy Morales, funcionário de uma padaria, de 36 anos, com lágrimas nos olhos. “Não tenho comida, não tenho electricidade, não tenho dinheiro”.

Zulia, centro histórico da indústria de energia da Venezuela que foi conhecida durante décadas por sua grande riqueza petrolífera, passa várias horas por dia mergulhada na escuridão desde Março, às vezes deixando seus 3,7 milhões de habitantes sem electricidade por até 24 horas.

No passado os moradores de Zulia acreditavam viver no “Texas venezuelano”, rico em petróleo e com uma identidade orgulhosamente diferenciada do restante do país. Os funcionários da indústria petrolífera eram vistos com frequência dirigindo carros novos e voavam em jatos particulares ao território caribenho de Curaçao para apostar seus salários nos cassinos.

Antes famosa por suas festas até o raiar do dia, a Maracaibo atual é muitas vezes um mar de escuridão à noite por causa dos blecautes.

As seis estações de energia de Zulia têm combustível suficiente para gerar electricidade, mas a falta de manutenção e de peças de reposição provoca problemas frequentes, obrigando as instalações a operarem com 20 por cento de sua capacidade, disse Ángel Navas, presidente da entidade nacional Federação de Trabalhadores do Sector Eléctrico (Fetraelec).

O ministro da Energia, Luis Motta, disse neste mês que os cortes de energia de até oito horas por dia serão a norma em Zulia enquanto as autoridades desenvolvem um plano de “estabilização”. Ele não deu maiores detalhes, e o Ministério da Informação não respondeu a um pedido de comentário.

O governo estadual de Zulia tampouco respondeu a um pedido de comentário. (Reuters)

por Mayela Armas

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.