- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Lusófono Moçambique Vontade política de combater tráfico pessoas questionada em Moçambique

Vontade política de combater tráfico pessoas questionada em Moçambique

País continua sem um plano de acção contra o fenómeno que tem vindo a aumentar

A Procuradora-Geral adjunta da República de Moçambique, Anabélia Chuquela, diz que o órgão submeteu há algum tempo “ao Ministério da Justiça, Assuntos Constitucionais e Religiosos a proposta de um Plano Nacional de prevenção e Combate ao Tráfico de Pessoas”.

Diversas realizações, incluindo debates e palestras em algumas instituições públicas e escolas moçambicanas, assinalaram nesta segunda-feira, 30, o Dia Mundial Contra o Tráfico de Pessoas.

Entretanto, alguns analistas dizem que a falta de vontade política faz com que o país não tenha ainda um plano de acção nacional contra o tráfico de seres humanos, fenómeno que tem vindo a incrementar-se, particularmente na zona sul do país.

Em 2009, comoveu a sociedade o caso de três raparigas moçambicanas traficadas e abusadas sexualmente num cativeiro, na África do Sul, cujo processo de recuperação demorou bastante tempo porque as meninas ficaram profundamente traumatizadas.

O advogado de defesa das três vítimas, Inácio Mussanhane, foi quem denunciou o que ficou conhecido como “caso Diana”, nome da cidadã moçambicana que traficou e manteve no cativeiro as raparigas, e diz não perceber porque é que até hoje, Moçambique não possui plano estratégico contra este crime.

Refira-se que a traficante, cujo julgamento ocorreu na África do Sul, foi condenada à prisão perpétua.

“Há, claramente, falta de vontade política para combater este crime, que assume contornos muito preocupantes,” lamentou o também jurista Abílio da Cruz. (Voa)

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.