Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Angola assina acordos de cooperação económica com a África do Sul

(Lusa)

Angola vai assinar em agosto um conjunto de acordos de cooperação económica bilateral estratégica com a África do Sul, disse em entrevista à Lusa o ministro das Relações Exteriores de Angola, Manuel Augusto.

O chefe da diplomacia angolana, que participou na 10ª Cimeira do BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), de 25 a 27 em Joanesburgo, disse que os dois países vão cooperar no domínio da indústria extrativa, infraestruturas, agricultura, turismo e crédito financeiro, estando nesse sentido a ser ultimada uma visita a Luanda, no início do próximo mês de agosto, de uma delegação presidencial da África do Sul, liderada pelo Presidente Cyril Ramaphosa.

“Angola é o presidente do órgão da SADC (Comunidade de Desenvolvimento da África Austral) e o Presidente Ramphosa é o presidente da SADC. No dia 17 de agosto, ambos vão passar o testemunho a outros países e, portanto, é possível que antes dessa data os dois presidentes se encontrem para discutirem sobre essa transição”, disse à Lusa, Manuel Augusto, na capital sul-africana.

O ministro adiantou que as negociações encontram-se em estado “muito avançado” e que nas áreas em que vão cooperar os dois governos estão a trabalhar com empresas e instituições, principalmente na área financeira, porque, sublinhou, “sem ela todas as ações não passarão do papel”.

“A África do Sul, para nós, é um parceiro estratégico”, afirmou.

“Entendemos que, para eles, Angola também é um parceiro estratégico”, frisou.

“Vamos trabalhar para fazermos projetos de interesse comum no domínio das infraestruturas, estradas, possivelmente uma autoestrada entre a África do Sul e Angola, e queremos usar o facto de a África do Sul ser um dos membros dos BRICS para que possamos ter acesso também a fundos que os BRICS têm para projetos de infraestruturas que tenham um impacto regional”, precisou o governante angolano.

“Ao nível bilateral, a África do Sul, acreditamos, vai voltar a Angola no sector dos diamantes de onde se tinha quase retirado, mas a África do Sul quer também entrar connosco nas áreas da Agricultura e Turismo, e nós queremos naturalmente criar primeiro, o suporte institucional para que os operadores privados possam julgar o seu papel”, disse.

“Para isso, já eliminámos os vistos, que é um elemento importante para o desenvolvimento dos negócios; estamos a trabalhar para criar o seguro de crédito para as instituições financeiras, estamos a ver se podemos usar as nossas moedas para o comércio bilateral, sem termos que recorrer a moedas estrangeiras; portanto há um conjunto de iniciativas e de projetos que estão identificados, que se forem implementados vão transformar completamente para melhor as atuais relações”, explicou o chefe da diplomacia angolana.

O ministro Manuel Augusto sublinhou à Lusa que o plano de cooperação com a África do Sul foi estabelecido na reta final da administração do ex-Presidente sul-africano Jacob Zuma.

Angola foi o primeiro país que o Presidente Ramaphosa visitou em 02 de março deste ano, na qualidade de presidente da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), após a sua nomeação para o cargo, em fevereiro, pelo Congresso Nacional Africano (ANC), partido no poder desde 1994, que demitiu o ex-chefe de Estado, Jacob Zuma, por alegado envolvimento em vários escândalos de corrupção na administração do Estado.

Acompanharam Rampahosa a Luanda, a ministra da Relações Internacionais e Cooperação, Lindiwe Sisulu e a ministra da Defesa e Militares Veteranos, Nosisiwe Mapisa-Nqakula.

Em abril, Ramaphosa realizou na capital angolana a Cimeira Extraordinária da Dupla Troika da SADC sobre a mediação regional de paz no Lesoto e as eleições na República Democrática do Congo (RDC) e em Madagáscar.

A delegação presidencial sul-africana à cimeira extraordinária da SADC, incluiu a ministra da Relações Internacionais e Cooperação, a ministra da Defesa e Militares Veteranos, o ministro da Polícia Bheki Cele e a vice-ministra da Segurança de Estado, Ellen Molekane.

O Presidente Ramaphosa elencou como prioridades do seu mandato, o combate à corrupção no sector público, a restituição da credibilidade das instituições do Estado e a atração de investimento externo, para revitalizar o crescimento da economia do país, tendo estabelecido como meta a angariação de 100 mil milhões de dólares a cinco anos.

“Nós vamos estar na ‘linha da frente’ em tudo o que signifique potenciar as nossas capacidades, usar os nossos recursos, e esta meta [de investimento] estabelecida pelo Presidente Ramaphosa é atingível”, disse Manuel Augusto.

“Temos investimentos a projetar na África do Sul. Não vou especular agora em números, apenas afirmar a nossa vontade de investir na África do Sul. A relação entre Angola e a África do Sul vai ser traduzida também em investimentos mútuos e nós vamos investir na África do Sul”, disse à Lusa o ministro das Relações Exteriores de Angola. (Notícias ao Minuto)

por Lusa

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »