- Publicidade-
InicioMundoÁfricaÁfrica do Sul: Fórum Empresarial abre reunião dos BRICS

África do Sul: Fórum Empresarial abre reunião dos BRICS

A realização de um Fórum Empresarial, com a participação de várias centenas de delegados do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, marcou, quarta-feira última, o primeiro dia de trabalhos da 10ª reunião dos BRICS.

O fórum surge como uma oportunidade para os homens de negócios dos estados membros consolidarem estratégias, daí o Presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, exigir a adopção de um roteiro sobre as oportunidades apresentadas pela quarta revolução industrial.

“Aguardo com expectativa as propostas concretas feitas para a consideração da Cúpula. Igualmente importantes são as deliberações sobre a cooperação BRICS-África”, declarou.

No primeiro dia de trabalhos, os presidentes da África do Sul e da China valorizaram os esforços dos BRICS e contestaram as recentes propostas do Governo dos Estados Unidos da América (EUA), viradas para o agravamento das tarifas sobre as importações de aço e alumínio.

Em causa está uma proposta do Presidente Donald Trump de agravar as taxas de importação de aço em 25 por cento e a taxa de importação de alumínio em 10 por cento, posição que tem merecido duras críticas de países europeus, asiáticos e da América Latina.

De acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI), essas restrições às importações anunciadas pelo Presidente Donald Trump “podem causar danos fora dos Estados Unidos, mas também na própria economia norte-americana, incluindo os sectores da manufactura e da construção”, tidos como os grandes utilizadores de alumínio e de aço.

A esse respeito, os estadistas dos BRICS consideraram que as decisões unilaterais anunciadas por Trump põem em risco o crescimento da economia global.

No seu discurso de abertura, Cyril Ramaphosa lamentou o facto de a 10ª Cimeira dos BRICS estar a decorrer “numa altura em que o sistema de comércio multilateral enfrenta desafios sem precedentes”, e disse temer o impacto dessas medidas proteccionistas.

O estadista, que acolhe pela primeira vez uma cimeira dos cinco países com as principais economias emergentes do mundo, desde a sua ascensão ao poder, teme que essas medidas venham a prejudicar, maioritariamente, os países em desenvolvimento.

Já o Presidente da China, Xin Jinping, afirmou que “a comunidade internacional chegou, novamente, a uma nova encruzilhada”, referindo-se às medidas anunciadas pelo Presidente norte-americano e sugeriu a contínua aposta na cooperação económica aberta.

Na sua intervenção, o líder chinês afirmou que a “guerra comercial deve ser rejeitada”, na medida em que nunca existirão vencedores e vencidos.

Entretanto, o programa de trabalhos do primeiro dia da 30ª Cimeira dos BRICS reservava ainda um jantar em homenagem aos chefes de Estado e de Governo, em que se previa a presença dos Presidentes da África do Sul, da China e do Brasil, Michel Temer.

Para quinta-feira, segundo dia da cúpula, o programa reserva um retiro dos chefes de Estado e de Governo e sessões à porta fechada.

Na presente cimeira, a África do Sul propôs cinco temas centrais para adopção: um grupo de trabalho sobre manutenção da paz; um centro de investigação e pesquisa de vacinas; o Fórum das Mulheres do BRICS; promover a parceria dos BRICS na 4.ª Revolução Industrial e a criação de um canal de cooperação do BRICS sobre Turismo.

A 10ª Cimeira dos BRICS constituiu um “marco histórico” na cooperação destes países, “pois representa uma década de cooperação no mais alto nível.

As autoridades sul-africanas, no âmbito do envolvimento com a África, convidaram ainda o Presidente Hage Geingob, da Namíbia, os Chefes de Estado do Gabão, Ali Bongo, de Angola, João Lourenço, de Moçambique, Filipe Nyusi, do Uganda, Yoweri Museveni, e do Ruanda, Paul Kagame.

De igual modo, foram convidados todos os chefes de Estado e de Governo da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC).

A esses devem juntar-se o Presidente da Argentina, Mauricio Marci, que preside ao G8, e o da Turquia, Recep Erdogan, também convidados para a cimeira de três dias, como representantes das economias emergentes no quadro da iniciativa “Brics-Plus”. (Angop)

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.