- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Médio Oriente Netanyahu justifica derrube de caça sírio por “grosseira violação” de acordo de...

Netanyahu justifica derrube de caça sírio por “grosseira violação” de acordo de desmilitarização

O PM de Israel, Benjamin Netanyahu, considerou o alegado desrespeito do espaço aéreo israelita por um caça sírio como “uma grosseira violação” do acordo de desmilitarização entre Israel e a Síria.

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, considerou esta terça-feira o alegado desrespeito do espaço aéreo israelita por um caça sírio como “uma grosseira violação” do acordo de desmilitarização entre Israel e a Síria.

“Israel não aceitará semelhante violação”, seja pelo ar ou por terra, assegurou Netanyahu. Na sua declaração, o primeiro-ministro do Estado judaico afirmou esperar que a Síria respeite o acordo de 1974 sobre uma zona desmilitarizada ao longo da fronteira partilhada pelos dois países.

Israel anunciou esta terça-feira ter abatido um caça sírio que penetrou no seu espaço aéreo. A versão foi desmentida por Damasco, ao referir que o aparelho conduzia operações contra forças ‘jihadistas’ no sul da Síria e quando as suas forças se aproximaram os montes Golã ocupados pelo Estado judaico desde 1967.

As forças governamentais de Bashar al-Assad e aliados desencadearam em 19 de julho uma ofensiva para retomar as zonas rebeldes nas províncias meridionais de Deraa e Qouneitra, junto ao planalto do Golã ocupado e anexado por Israel.

Um porta-voz militar israelita indicou em conferência de imprensa telefónica que o avião “um Sukoi 22 ou 24” foi “atingido após ter penetrado dois quilómetros” no espaço aéreo controlado por Israel, no sul do planalto do Golã. Em comunicado publicado previamente, o exército tinha precisado ter disparado “mísseis Patriot na direção” do aparelho, um termo que utiliza para referir que o alvo foi abatido. “O avião despenhou-se na parte sul do planalto do Golã sírio”, precisou o porta-voz.

Em simultâneo, as forças do regime sírio retomaram aos rebeldes a maioria dos territórios do sudoeste do país e cercam um setor controlado pelos ‘jihadistas’ do grupo extremista Estado Islâmico (EI) junto aos montes Golã e anexa à “zona-tampão” desmilitarizada entre os dois países, formada um ano após a guerra israelo-árabe de 1973.

Damasco acusa há muito Israel de apoiar o EI e outros grupos da oposição. “O inimigo israelita confirmou ter optado pelos grupos armados terroristas e atingiu um dos nossos aviões que atacava as suas posições no setor de Saïda (…) no espaço aéreo sírio”, afirmou uma fonte militar.

Israel e a Síria, países vizinhos, nunca concluíram um tratado de paz. Apesar de afirmar que não pretende envolver-se no conflito que decorre na Síria desde 2011, Israel já atacou por diversas vezes o país vizinho, em particular posições militares de Damasco e seus aliados, e ainda do Hezbollah libanês e do Irão. (Observador)

por Lusa

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.