- Publicidade-
InicioDestaquesChina quer cooperação no domínio da justiça

China quer cooperação no domínio da justiça

A República da China quer cooperar com Angola no domínio da justiça, concretamente no intercâmbio de conhecimento dos sistemas judiciais e na informação sobre julgamentos de casos criminosos envolvendo cidadãos dos dois países.

A pretensão foi tornada pública pelo presidente do Tribunal Militar do Exército Popular de Libertação da China, Liu Ligen, no final de um encontro com uma delegação da Procuradoria-Geral da República, orientada pelo seu titular, Hélder Fernando Pitta-Gróz, nesta terça-feira, em Luanda.

A China pretende colaborar também nos trabalhos administrativos judiciais, segundo Liu Ligen que, em Angola desde segunda-feira última, considerou antigas as relações de cooperação no domínio militar.

Sobre a visita, informou que visa a troca de experiência, no quadro do aprofundamento das relações entre os dois países.

O presidente do Supremo Tribunal Militar de Angola, António dos Santos Neto ”Patónio”, acompanhou o seu homólogo da China na audiência.

Na segunda-feira, delegações dos tribunais Militar de Angola e Militar do Exército Popular de Libertação da China iniciaram trocas de experiências no domínio do funcionamento dos órgãos de justiça, no quadro da cooperação bilateral existente.

O encontro serviu igualmente para apresentar a delegação chinesa, a evolução histórica do órgão militar angolano, desde a criação do 1º Tribunal Supremo Militar Angolano, em 1975, antes designado por Comissão de justiça que tinha a missão de instruir, acusar e julgar os processos crimes.

A delegação permanece em Angola por três dias e vai, entre outros, visitar o Memorial António Agostinho Neto, o Parque Nacional da Quissama e o Museu das Forças Armadas Angolanas. (Angop)

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.