Portal de Angola
Informação ao minuto

Obiang vai encerrar Mesa do Diálogo com oposição na Guiné Equatorial

Presidente Obiangl (DR)

O Presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang, vai participar na segunda-feira na Sexta Mesa de Diálogo entre Governo e oposição, estando presente durante a cerimónia de encerramento, anunciou hoje a televisão estatal.

Embora as datas originais das reuniões sejam até sábado, a cerimónia de encerramento foi adiada até segunda-feira.

No sábado, os líderes políticos vão reunir-se para fechar acordos sobre os temas discutidos, explicou o primeiro-ministro, Francisco Obama Asué.

O comunicado não especifica se Teodoro Obiang apenas vai estar presente na cerimónia ou se vai intervir, tal como fez durante a sessão de abertura da Mesa de Diálogo, na segunda-feira.

Na altura, o Presidente pediu “sinceridade e humildade” para “estimar o positivo e aquilo que adoece o nosso sistema”, e chamou a iniciativa de “oportunidade única para eliminar a desconfiança”.

Durante as jornadas ocorreram críticas ao Governo, em especial pelo principal partido legalizado da oposição, a Convergência para a Democracia Social, que defendeu a sua demissão e a formação de um executivo de transição.

O líder deste partido, Andrés Esono, também perguntou ao Governo quando é que pretende aplicar a amnistia geral para os presos políticos decretada por Teodoro Obiang no dia 04 de julho passado.

Até ao momento, a única libertação que ocorreu foi do professor Julián Abaga, detido em dezembro devido a uma mensagem de áudio a criticar o chefe de Estado.

O outro partido da oposição da Guiné Equatorial, Cidadãos pela Inovação, não foi convidado para a iniciativa por ter sido considerado ilegal em fevereiro.

Outros dos principais atores políticos da oposição decidiram não participar, como o autoproclamado primeiro-ministro no exílio, Severo Moto, ou o Movimento para a Autodeterminação da Ilha de Bioko.

Desde sua independência da Espanha, em 1968, a Guiné Equatorial é considerada um dos países mais repressivos do mundo devido a acusações de detenções e tortura de dissidentes e reiteradas denúncias de fraude eleitoral por parte da oposição e da comunidade internacional. (Notícias ao Minuto)

por Lusa

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »