Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Rebeldes sírios rendem-se no sul da Síria

Rebeldes do sul da Síria aceitaram nesta quinta-feira (19) abandonar a província de Quneitra, vizinha da parte das Colinas de Golã anexada por Israel, após vários acordos que permitem ao regime retomar o controle de setores estratégicos da região.

O anúncio aconteceu pouco depois da evacuação de duas localidades governamentais cercadas pelos insurgentes na província de Idlib, no norte da Síria, acordada na terça-feira.

Negociados por enviados da Rússia, grande aliada do regime, os dois acordos constituem nova vitória para o presidente Bashar al-Assad na guerra que arrasa o país há mais de sete anos.

Utilizando uma estratégia que combina violentas ofensivas com negociações, as forças do governo já retomaram mais de 90% da província de Deraa, onde ocorreram os primeiros protestos contra o regime em 2011.

Após a reconquista de Deraa, a aviação síria passou a bombardear a província de Quneitra.

Submetidos a uma intensa pressão, os rebeldes aceitaram ceder Quneitra e a zona tampão às forças governamentais, indicaram nesta quinta-feira à AFP o Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH) e um rebelde.

O acordo prevê “um cessar-fogo, o abandono (por parte dos rebeldes) da artilharia média e pesada e o retorno das instituições governamentais” a Quneitra (sudoeste), afirmou o diretor do OSDH, Rami Abdel Rahman.

Os insurgentes que se negarem a entregar as armas serão transferidos para zonas sob controle rebelde na província de Idlib.

O acordo não inclui os membros do grupo extremista islâmico Hayat Tahrir al-Sham, ex-facção da Al-Qaeda na Síria.

A agência oficial Sana afirmou que o acordo permitirá ao regime recuperar suas posições de antes de 2011, quando começou a guerra, sem fornecer mais detalhes. Desde a guerra de 1967, Israel ocupa 1.200 km2 da meseta das Colinas de Golã, cuja anexação em 1981 nunca foi reconhecida pela comunidade internacional.

Com o apoio de seus aliados Irão e Rússia, Bashar al-Assad está determinado a retomar o controle de todo país. Atualmente, controla 60% do território sírio.

Em outra frente, nesta quinta-feira terminou a evacuação dos 6.900 habitantes das localidades pró-regime de Fua e Kafraya, em Idlib, sitiadas desde 2015 pelos rebeldes e jihadistas.

A fase final da evacuação começou pouco depois da meia-noite. Durante várias horas, 120 autocarros deixaram as duas aldeias e se dirigiram para Al-Eis, localidade que separa Idlib e o sul de Aleppo, controlado pelo governo.

“Deixamos nossas casas. Algumas crianças nunca viram uma maçã em suas vidas”, declarou à AFP Chilian Chuweich, moradora de Fua evacuada com seu marido e dois filhos.

“Após a chegada dos primeiros autocarros em território do regime, este começou a libertar os prisioneiros, conforme o acordado”, declarou Abdel Rahman à AFP.

“Os combatentes da Hayat Tahrir al-Sham entraram nas duas localidades” após o fim da evacuação, informou uma fonte do grupo extremista.

Segundo o OSDH, o acordo concluído por russos e turcos estabelece que as tropas do governo não podem atacar a província de Idlib, na fronteira com a Turquia, mas rodeada por territórios sob controle do regime.

Organizações de direitos Humanos alertaram que as evacuações podem equivaler a deslocamentos forçados.

Deflagrada em 2011 após a repressão sangrenta de manifestações contra Assad, a guerra civil causou a morte de mais de 350.000 pessoas e milhões de deslocados e refugiados. (AFP)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »