Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Brasil confirma 744 casos de sarampo

Maioria dos casos foi detetada nos estados de Roraima e no Amazonas, próximos da fronteira brasileira com a Venezuela.

O Ministério da Saúde do Brasil informou nesta quarta-feira que pelo menos 744 pessoas foram infetadas com sarampo no país, num surto decorrente de casos importados da Venezuela. Segundo o Ministério, a maioria dos casos foram detetados nos estados de Roraima e no Amazonas, próximos da fronteira brasileira com a Venezuela, onde a doença se tem espalhado, onde os serviços de saúde entraram em colapso.

“Os surtos estão relacionados com a importação. Isso ficou comprovado pelo genótipo do vírus (D8) que foi identificado, que é o mesmo que circula na Venezuela”, informou um boletim divulgado pelo Ministério da Saúde do Brasil. Até 17 de julho, o estado de Roraima confirmou 216 casos de sarampo e 160 continuam em investigação.

Também foram confirmados 444 casos de sarampo no Amazonas e 2.529 permanecem em investigação. Casos isolados foram identificados nos estados do Rio Grande do Sul (8), Rio de Janeiro (7), São Paulo (1) e Rondônia (1). O total de infeções também inclui 67 indígenas venezuelanos e brasileiros.

No início do mês, o grupo de direitos indígenas Survival International alertou que o surto de sarampo pode devastar grupos tribais isolados, que têm pouca resistência a essas doenças e vivem em ambos os lados da fronteira do Brasil com a Venezuela. O sarampo espalha-se pelo ar e é altamente contagioso.

O Governo brasileiro anunciou que está a reforçar os esforços de vacinação e que, entre 6 e 31 de agosto, vai avançar uma ampla campanha de vacinação para tentar travar o avanço da doença.
“A meta de vacinação contra o sarampo é de 95%. Em 2017, dados preliminares apontam que a cobertura no Brasil foi de 85,21% na primeira dose (tríplice viral) e de 69,95% na segunda dose (tetra viral)”, concluiu o Ministério da Saúde brasileiro. (Expresso)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »