- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Angola Sociedade Chineses detidos no Moxico por corte e exploração ilegal de madeira

Chineses detidos no Moxico por corte e exploração ilegal de madeira

A Polícia Nacional (PN) deteve, no município do Alto Zambeze, província do Moxico, três cidadãos chineses na posse de cerca de 30 toros de madeira, numa altura em que o seu corte e transporte estão proibidos.

A detenção, em flagrante, foi realizada no último fim-de-semana, pela polícia de Ordem Pública com apoio do Serviço de Investigação Criminal (SIC), no âmbito da Operação Relâmpago II, do Comando Provincial do Moxico da Polícia Nacional (PN).

A informação foi avançada esta segunda-feira, 16, ao NJOnline, pelo porta-voz da corporação no Luena, inspector-chefe Alberto Pacheco.

O responsável adiantou que a detenção dos três cidadãos implicados na exploração ilegal de madeira resultou de uma denúncia anónima.

Segundo a mesma fonte, os suspeitos – já presentes ao Ministério Público para legalização da prisão – foram interceptados quando se deslocavam na comuna do Cazombo com destino a Luanda, de onde a mercadoria seguiria para a China.

Alberto Pacheco acrescentou que, na mesma operação, foi apreendida uma quantidade indeterminada de madeira cerrada, um camião basculante de marca Shacman, serração e outros equipamentos.

“Durante as nossas diligências investigativas, verificámos que os suspeitos têm incorrido nesta prática ilícita, e que nem todas madeiras são enviadas para fora do país”, disse, salientando que algumas acabam por ser comercializada no mercado nacional.

O inspector-chefe revelou ainda que as autoridades estão a fazer “um estudo para rastrear os mercados, no sentido de repor a legalidade”, comprometida por aqueles que insistem em comprar madeira das mãos dos malfeitores. (Novo Jornal Online)

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.