Portal de Angola
Informação ao minuto

Angola e África do Sul estudam transferência de 40 elefantes

Arquivo: MANADA DE ELEFANTES (Foto: Zita Gonçalves)

O Ministério do Ambiente, o Fórum dos Combatentes da Batalha do Cuito Cuanavale (FOCOBACC) e ex-militares do ex-exército sul-africano (SADF), vão trabalhar, até ao mês de Novembro do ano em curso, na transferência de 40 elefantes para Angola.

Os elefantes terão como ponto de recepção central o município do Cuito Cuanavale, para posterior repovoamento nos parques do Cuando Cubango e do Mupa (Cunene) e Bicuar (Huíla).

Desde esta segunda-feira, estão a trabalhar dois ex-militares do ex-exército sul-africano (SADF), denominada por “Equipa Unidade e Amizade”, acompanhados por peritos do ministério do Ambiente.

Em declarações à imprensa, o director do projecto de transferência, Jasper Cloete, avançou que numa primeira fase irão trazer dez elefantes ao Cuando Cubango a título definitivo, que contarão com 20 fiscais ambientais que irão aferir a adaptação dos animais ao novo habitat.

Segundo o responsável, para que o projecto se torne uma realidade será necessário desminar cerca de mil a dez mil hectares para o repovoamento de animais, sobretudo de elefante, bem como a criação de fazendas de caça.

Considerou ser um projecto que não irá trazer benefícios no que diz respeito a transferência de elefante, mas também abrirá oportunidades de emprego para 80 jovens e contribuir para o desenvolvimento das populações.

Jasper Cloete disse que dentro do projecto não se vai apenas estabelecer a protecção dos animais, mas abranger indústrias, campos agrícolas, fazendas, parques para criação de animais, entre outros projectos, visando proporcionar o desenvolvimento socioeconómico da província.

Recordou que Angola é o principal alvo da caça furtiva nos últimos anos, perdendo cerca de 10 porcento dos elefantes anualmente, daí a necessidade urgente de se ter áreas de protecção ambiental.

Por isso, defendeu a necessidade de se criar um ambiente em que a população participe do projecto, para que haja simbiose entre a urgência de proteger os animais para se combater a caça furtiva.

Lembrou que há 60 anos Angola possuía maior concentração de elefantes a nível do continente africano e circulavam sem nenhum impedimento nos países vizinhos, sublinhando que as reservas naturais são muito importantes para o desenvolvimento do turismo, no sentido de alavancar o Produto Interno Bruto Nacional (PIBN).

Na sua óptica, o PIB angolano proveniente do turismo está em média global dos 19 a 20 porcento e com um ecoturismo mais estabelecido, o que pode atrair mais turistas estrangeiros para Angola nos mais variados sectores.

Informou que, antes de se trazer os animais foi primeiro necessário interagir com a comunidade local, por serem os parceiros do governo, passando informações dos benefícios a serem obtidos com a execução do importante projecto.

De referir que, no passado mês de Maio do ano em curso, uma comitiva em que integrava ex-militares de ambos os países constatou as áreas do Rundo (Namíbia), passando pelas localidades de Savete, Caiundo, Cuito Cuanavele, Menongue, Cutato, Cassinga, Mupa, Calueque, Xanxongo e Cahama. (Angop)

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »