Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Republicanos e democratas criticam conferência de imprensa de Trump-Putin

(© Getty Images)

A conferência de imprensa conjunta da cimeira Trump-Putin, hoje na capital finlandesa, mereceu críticas dos Republicanos e também dos Democratas à participação do Presidente dos Estados Unidos, classificada de “bizarra” e “vergonhosa”.

Para o antigo candidato presidencial e senador republicano John McCain, de 81 anos, a conferência de imprensa conjunta de Donald Trump e Vladimir Putin constituiu “um dos piores momentos da história da presidência norte-americana.

No entender de McCain, uma figura respeitável da política norte-americana, o chefe de Estado norte-americano teve “uma das mais vergonhosas actuações de um Presidente dos Estados Unidos”.

“Ficou claro que a cimeira de Helsínquia foi um erro trágico”, disse o republicano McCain, que continua a intervir nas grandes questões, apesar de ter um cancro no cérebro.

O presidente da Câmara dos Representantes norte-americana, o republicano Paul Ryan, apelou a Trump, também republicano, para que entenda que “a Rússia não é aliada dos Estados Unidos”, em reacção também à conferência de imprensa.

“Não há equivalência moral entre os Estados Unidos e a Rússia, que permanece hostil aos nossos ideais e aos nossos valores fundamentais”, disse Ryan.

Destacados membros do Congresso, democratas e alguns republicanos, referiram que a presença de Trump e Putin perante os jornalistas foi “uma oportunidade perdida” para o Presidente dos Estados Unidos fazer frente à Rússia.

O senador republicano Jeff Flake escreveu na página pessoal da rede social Twitter que o sucedido “foi vergonhoso”.

Ben Sasse, outro republicano no Senado, admitiu ser “estranho” e considerou “errado” Trump sugerir que Estados Unidos e Rússia são os culpados pelo atual mau estado das relações bilaterais, enquanto o senador democrata Chuck Schumer afirmou que, na história do país, um Presidente nunca apoiou um adversário da maneira que Trump apoiou Putin.

O ex-director da CIA, John O. Brennan, escreveu, também no Twitter que o comportamento de Trump excede o limiar de altos crimes e contravenções.

“Não foi nada menos do que traição”, vincou. (Notícias ao Minuto)
por Lusa

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »