Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Ministro destaca papel da imprensa pública

A imprensa pública, em Angola, está obrigada a continuar a desempenhar um papel preponderante durante as próximas décadas, proclamou, sexta-feira, o ministro da Comunicação Social angolano, João Melo.

O também jornalista e escritor discursava no Encontro das Empresas Públicas de Comunicação Social da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), organizado pela Direcção Geral de Informação e pela Rádio-Televisão de Cabo Verde.

No encontro, esteve igualmente integrada uma conferência sobre a auto-regulamentação da media pública, dedicada ao tema “Importância e limites da Auto-Regulação nos Média Públicos: Equilibrar Direitos e Responsabilidades no contexto da pós-moralidade”.

João Melo justificou a sua previsão com o facto de o empresariado local ser ainda “débil”, apesar de a legislação do sector, aprovada em 2017, ter acabado com todos os monopólios na área de comunicação social, segundo afirmou.

O empresariado local ainda é débil, pelo que não é previsível, para breve, e salvo uma ou outra excepção, um crescimento exponencial da imprensa privada, destacou João Melo.

Numa outra direcção e a título de balanço, o governante disse que, em menos de um ano de governação do presidente João Lourenço, “todos os órgãos públicos não são apenas líderes de audiência em Angola, como contribuíram – além dos actos do próprio Presidente da República, nomeadamente o combate à corrupção – para a rápida e inequívoca mudança de reputação do país, quer nacional quer internacional”.

O ministro da Comunicação Social reiterou, na sua comunicação, que o objectivo do sector que dirige é fazer dos media públicos angolanos “não apenas os de maior alcance em termos de expansão e audiência, mas, sobretudo, os mais sérios e credíveis do mercado”.

“Hoje, a perspectiva é converter os órgãos tutelados pelo Estado em genuínos órgãos públicos, abertos a todos, dando espaço e voz aos diferentes segmentos da sociedade, proporcionando o debate plural e contraditório, etc.” – sublinhou.

Entretanto, complementou o ministro, o facto de a imprensa pública não dever ser confundida como um mero instrumento do governo não significa que se transforme em anti-governamental. “Isso não faz qualquer sentido”, vincou.

Anda neste mesma direcção, João Melo deixou bem claro que os órgãos tutelados pelo Estado precisam, em democracia, de adequar a sua linha editorial, em cada momento, à correlação de forças histórica, estabelecida pelos eleitores nas urnas. (Angop)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »