- Publicidade-
InicioAngolaSociedadeTestemunha de acidente em que supostamente morreu funcionário da PGR era um...

Testemunha de acidente em que supostamente morreu funcionário da PGR era um cidadão congolês

Versão contraria posição da polícia e da PGR sobre a morte de Lucas Chivukuvuku

A morte de um funcionário da Procuradoria-Geral da República (PGR) de Angola no dia 5 de Julho continua a provocar controvérsia e reacções.

Enquanto a polícia e a PGR garantem que Lucas Chivukuvuku morreu num acidente de carro, os familiares afirmam que ele foi assassinado como queima de arquivo.

Agora, a VOA falou com uma testemunha que alegadamente se encontrava na viatura acidentada e da qual resultou um morto que, garante, não era o funcionário da PGR, mas um cidadão congolês.

O jovem que preferiu não ser identificado temendo represálias contou à VOA que estava na viatura que protagonizou o único acidente registado na área referida pola polícia.

Era uma viatura hiace, vulgo quadradinho, no horário que a policia indica, que tinha oito ocupantes e fazia a rota de taxi Congolenses-Estalagem em Viana.

“Eu estava na mesma viatura e o senhor do banco da frente aparentava mais de 45 anos de idade, e ao lado da unidade operativa de Luanda o carro, que tinha como destino a Estalagem em Viana, quando o motorista tentou fazer a rotunda em velocidade embateu no passeio, de seguida o tal senhor, que estava embriagado, abriu a porta e bateu com a cabeça no asfalto, acabando por morrer no local”, conta

A testemunha que diz viver no Golfe, mas na altura apanhava um táxi para ir passar a noite na Estalagem em Viana em casa do tio, garantiu que a viatura não chegou a capotar.

“Depois apareceram algumas pessoas que identificaram a vítima como sendo familiar e pela linguagem parecia ser um cidadão congolês”, explica.

O caso continua ainda em investigação pelas autoridades e os familiares prometeram pronunciar-se nos próximos dias.

Recorde-se que a vítima era sobrinho do presidente da CASA-CE, Abel Chivukuvuku, que refutou, desde o primeiro dia, a versão da polícia. (Voa)

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.